BLOG E SITES

  • LEITORES
  • 12 de jun de 2017

    Tatuagens estigmatizam a alma? (Jorge Hessen)


    Jorge Hessen

    Uma leitora narrou-me o seguinte: “meu noivo tem tatuados desenhos exóticos, como a “caveira”, “Capitão Gancho”, “morte”, “deuses da mitologia nórdica” e “símbolos de bandas Death Metal”. Sei que tais emblemas o representam, pois que ele venera essas coisas. Acho de mau gosto, estranhos e um tanto "patológicos". Entretanto é a opção dele. A escolha dele só a ele diz respeito”. Você concorda comigo?
    Explicamos para a nossa leitora que ante as regras morais do Espiritismo não há dispositivos para “danações infernais”. Certamente, pela tatuagem a pessoa pode estar pronunciando algo de si mesma. Todavia e apesar disso, paradoxalmente, não cremos que as tatuagens retratem totalmente a índole e o caráter de alguém. Nada obstante conhecermos alguns modelos de tatuagens, com pretextos assombrosos que podem ser classificados (sem excomunhões) como censuráveis e inadequados para o cristão.
    Ainda sobre o tema, outra leitora nos indagou: “a tatuagem é uma forma de arte no corpo? Se é uma arte deverá ser condenada? Tenho uma tatuagem no braço de uma linda borboleta. Ela me representa inteiramente. A borboleta é considerada o símbolo da transformação, da felicidade, da beleza, da inconstância, da efemeridade da natureza e da renovação. Não posso crer que algo tão expressivo para mim possa ser pernicioso na minha vida no além-túmulo. O que você acha?
    Explicamos que não identificamos argumentos de caráter rigorosamente útil o uso de quaisquer tatuagens, especialmente se a lesão imposta ao próprio corpo for por idolatria, vaidade e egocentrismo. Contudo, o uso de tatuagens não abafa as qualidades morais. Até porque ninguém pode penetrar na intimidade da consciência de alguém e saber o que aí ocorre.
    Outro leitor escreveu: “meu corpo físico já é uma arte, em face disso não ousaria manchar-lhe! E vou mais adiante, quem teria audácia de rabiscar sobre as telas originais de um Vincent  van Gogh, de Michelangelo, de Leonardo da Vinci ou de Pablo Picasso? Ora, a minha irmão me contradiz, argumentando que  se o corpo é um templo, porque não decorar as paredes? Cada caso é um caso, e não se pode dizer que uma tatuagem é um rabisco em uma obra de arte. O corpo é uma obra de arte dada a nós como presente, sim, e não é uma tatuagem que irá tirar esse aspecto de obra de arte”. Me elucide aí, Jorge Hessen.
    Aqui especificamente redargui que pelos ditames do livre arbítrio cada um responderá por si. Porém, lembremos que mesmo com toda tecnologia atual, uma tatuagem não é espontaneamente removível. Não há como desconhecermos que o corpo é o templo do Espírito e não nos pertence, portanto, é importante preservá-lo contra ofensivas que possam truncar a sua composição natural.
    É difícil sabermos se haverá ou não mutilação perispiritual por causa das tatuagens. Embora saibamos que o perispírito seja lesado pelas anomalias de caráter, desequilíbrios emocionais, vícios físicos e mentais, rancores, pessimismos, ambição, vaidade desmesurada, luxúria, nem  todos os tatuados se enquadram nesses desvios morais.
    É verdade! Golpeia-se o perispírito todas as vezes que se prejudica o semelhante através da maledicência, da agressividade, da aventura extraconjugal, da violência de todos os níveis, da deslealdade. Deste modo,  analisando por esse ângulo, as tatuagens afetam nada ou quase nada o perispírito.
    As tatuagens que alguns indivíduos elaboram como forma de demonstrar carinho a exemplo de alguém que grava o nome do pai ou da mãe no corpo de modo discreto não trariam, acreditamos, os mesmos efeitos que ocorreriam com aqueles que se tatuam de modo resoluto, movimentados por anseios mais abrutalhados.
    André Luiz registra que “os desencarnados podem, sob o ponto de vista fluídico, moldar mentalmente e de maneira automática, no mundo dos Espíritos, roupas e objetos de uso e gosto pessoal”. (1) Como se observa, é possível, embora deploremos, que um ser no além-túmulo permaneça condicionado aos vícios, modismos e tantas outras coisas inúteis da sociedade terrena.
    Perante essas questões propostas, evocamos a lógica espírita que nos convida ao autoconhecimento, ao estágio do auto aprimoramento sob o patrocínio da liberdade responsável. Os Benfeitores espirituais recomendam o bom senso, a autoconfiança, a altivez, o equilíbrio e a busca incessante de Deus, que nos faculta contentamento e paz ao coração e à consciência, sem as penúrias de procurarmos alentos nas figuras e emblemas incrustrados na epiderme.

    Referência bibliográfica:

    [1]     Xavier, Francisco Cândido. Nosso Lar, ditado pelo Espírito André Luiz, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 1955 

    31 de mai de 2017

    “Fogo fátuo” e “duplo etérico” - o que é isso ? (Jorge Hessen)



    Jorge Hessen

    Um amigo indagou-me o que era  “fogo fátuo” e “duplo etérico”. Respondi-lhe que uma das opiniões que se defende sobre o “fogo fátuo”, acena para  a emanação “ectoplásmica” de um cadáver que, à noite ou no escuro, é visível, pela luminosidade provocada com a queima do fósforo “ectoplásmico” em presença do oxigênio atmosférico. Essa tese tenta demonstrar que um “cadáver” de um animal pode liberar “ectoplasma”.

    Outra explicação encontramos no dicionarista laico ,definindo o “fogo fátuo” como uma fosforescência produzida por emanações de gases dos cadáveres em putrefação[1], ou uma labareda tênue e fugidia produzida pela combustão espontânea do metano e de outros gases inflamáveis que se evola dos pântanos e dos lugares onde se encontram matérias animais em decomposição. Ou , ainda, a inflamação espontânea do gás dos pântanos (fosfina), resultante da decomposição de seres vivos: plantas e animais típicos do ambiente.

    Sob o enfoque espírita, Allan Kardec fez breve referência ao termo conforme inserto  no cap. VI, de O Livro dos Médiuns ,  questão 29, ao indagar: “Que se deve pensar da crença que atribui os “fogos-fátuos” à presença de almas ou Espíritos?” Os espíritos responderam: "Superstição produzida pela ignorância. Bem conhecida é a causa física dos “fogos-fátuos”. [2]

    Sobre o tema “duplo etérico” explicamos ser muito intricado.  O termo não está presente na Codificação, porém existem associações teóricas subjetivas,  por vezes polêmicas, contidas  nas obras “complementares” para explicá-lo. O fato é que não encontramos  a nomenclatura, digamos,  “clássica” no Espiritismo, isto é, não é definido por Kardec, embora superficialmente o tema é  acenado (uma única vez) em O Livro dos Médiuns. [3] A rigor, a palavra e seus conceitos dimanam especialmente dos burgos místicos do esoterismo, apinhada de crença orientalista , mística e espiritualista, portanto não sendo objeto de estudo de Kardec ou dos Espíritos nas Obras básicas.

    Partindo do princípio definido pelo dicionário esotérico somos informados que todo corpo físico está cercado por um invólucro de matéria etérica, sendo uma reprodução perfeita do corpo físico. Ele ultrapassa epiderme cerca de cinco centímetros. Não é um veículo independente, se desfazendo após a morte física. Sua grande importância é receber e distribuir as forças vitais provenientes do sol e da terra. É nele que estão localizados os chamados “chacras”. [4]

    Kardec inquiriu aos Espíritos se a alma é externa e envolve o corpo. Os Benfeitores explanaram que as almas (os encarnados)  irradiamos e nos manifestamos no exterior (do corpo físico), como a luz através de uma lâmpada ou como o som em redor de um centro sonoro. É por isso que se pode dizer que ela (alma) é externa, mas não como uma película do corpo. A alma tem dois envoltórios: um, sutil e leve, o primeiro que chamas perispírito; o outro, grosseiro, material e pesado, que é o corpo biológico. [5]

    Divulga-se que o “duplo etérico”, ou, para alguns, a “bioenergia”, é o contingente de energia vital (“neuropsíquica”), resultado da ação do corpo espiritual (perispírito) sobre os elementos físicos, canalizados à consolidação do corpo físico como, também, aglutinados em uma outra estrutura que vai servir de verdadeiro reservatório de vitalidade, necessário, durante a vida física, à reposição de energias gastas ou perdidas. [6]

    André Luiz distingue o perispírito - a que chama também de “corpo astral”, “corpo espiritual” e “psicossoma” - do “duplo etérico”, cuja natureza, afirma como sendo de "um conjunto de eflúvios vitais que asseguram o equilíbrio entre a alma e o corpo biológico" (...), "formado por emanações neuropsíquicas que pertencem ao campo fisiológico e que, por isso mesmo, não conseguem maior afastamento da organização terrestre, destinando-se à desintegração, tanto quanto ocorre ao arcabouço carnal por ocasião da morte renovadora".[7]

    Na desencarnação “duplo etérico” (ou “corpo vital”) pode ficar adjunto ao corpo físico ou pairar no ambiente, por um período curto ou longo consoante a evolução do desencarnado, até o desligamento definitivo, quando sobrevém a sua desintegração. Isto porque, sendo um campo de energia de predominância física, poderá servir de sustentação a espíritos vampirizadores. Nos seres evoluídos, o “duplo etérico” é quase que imediatamente desintegrado.

    André Luiz , portanto , confirma  que todos os seres vivos se revestem de um halo magnético que lhe corresponde à natureza e que no homem essa projeção é modificada e enriquecida pelos fatores do pensamento contínuo, constituindo a “aura” humana, o “corpo vital” ou "duplo etérico". Por ele exteriorizamos o reflexo de nós mesmos, de acordo com o que pensamos e fazemos. [8]

    Sinceramente? Não identificamos problemas conceituais nas considerações de André Luiz. Não obstante, ocorrerem clamores que divergem do autor de “Nosso Lar”, a propósito do emprego das terminologias “aura”e “corpo vital”. Asseguram tais divergentes que as palavra e os conceitos estão propostos sem um maior critério doutrinário, pois que nas obras básicas e na Revista Espírita, Kardec não usou tais palavras. Lembremos, porém, que o Codificador usou a expressão “atmosfera fluídica” ou “atmosfera individual” para definir o mesmo fenômeno aqui analisado.

    Nalgumas escolas espiritualistas, o “corpo vital” (empregado por André Luiz) é constituído por átomos de matéria sutil (etérea), sendo denominado como tal  por ser a fonte das forças nervosas eletrovitais, e, portanto, o construtor e restaurador das formas densas, interpenetrando todo o corpo físico.  Todavia, na época de Kardec  não se empregava com frequência o termo “duplo etérico” ou “corpo vital”, mas ao registrar Kardec que o perispírito é composto de matéria sutil, de matéria nervosa, de matéria inerte, evidentemente estava referindo-se ao perispírito como um corpo complexo, e não de natureza compacta.

    Leopoldo Cirne, um espírita estudioso de Kardec,    concluía, das experiências de materialização, a existência de um corpo invisível no encarnado, dessemelhante do perispírito, que poderia subsistir por algum tempo após a morte física, mas não permaneceria definitivamente ligado ao Espírito desencarnado, a que denominou de “corpo etéreo”, “duplo astral”, “corpo astral”, responsável pela possibilidade de materialização dos Espíritos. [9] Em seguida, na sua obra (póstuma) O Homem Colaborador de Deus, Cirne manteve seu ponto de vista sobre a existência de um corpo não-físico além do perispírito, não o designando mais de duplo (corpo) astral, mas apenas de “corpo etéreo”, inseparável do corpo físico durante a vida. [10]

    Sabemos que o tema é sensível, difícil, problemático e não pacificado ainda, mas faço minhas as palavras de Kardec,   mencionando que o estudo de um tema que nos lança numa ordem de coisas abstratas só pode ser feito com inteligência, imparcialidade e utilidade por pesquisadores sérios, perseverantes, livres de prevenções e animados de firme e sincera vontade de chegar a um resultado. Não sabemos como dar esses qualificativos aos que julgam “a priori”, inconsideradamente, sem tudo ter visto; que não imprimem a seus estudos a continuidade, a regularidade e o recolhimento indispensáveis. [11]

    Referências bibliográficas:

    [1] Disponível em https://www.priberam.pt/dlpo/fogo-f%C3%A1tuo acessado em 25-05-2017
    [2] KARDEC , Allan. O livro dos Médiuns, cap VI, questão 29, RJ: Ed FEB, 1990
    [3] Idem questão 4 do item 128 do capítulo VIII
    [4] Disponível em https://dicionarioesoterico.wordpress.com/ acessado em 24-05-2017
    [5] KARDEC , Allan. O livro dos Espíritos, RJ: Ed FEB, 1990 questão. 141
    [6] ZIMMERMANN Zalmino. PERISPÍRITO, SP: Editora: Centro Espírita Allan Kardec, 2002
    [7] XAVIER, Francisco Cândido. Evolução em Dois Mundos, RJ: Ed. FEB 1958, 13a ed.
    [8] Idem
    [9] CIRNE, Leopoldo. Doutrina e Prática do Espiritismo, 1 edição, RJ: Editora: Typ . do Jornal do Commercio, 1920
    [10] CIRNE, Leopoldo. O Homem Colaborador de Deus, SP: Ed Mundo Maior, 1949
    [11] KARDEC , Allan. O livro dos Espíritos, item VIII da introdução, RJ: Ed FEB, 1990

    Coerência da Lei Divina ante a reencarnação (jorge Hessen)


    Jorge Hessen

    Como toda criança, Virsayia Borum, de sete anos, é bastante ativa - em suas próprias palavras, adora "dançar, pular e voar". Mas ela tem de tomar muito mais cuidado, pois nasceu com a chamada Pentalogia de Cantrell. Uma  doença, que afeta apenas cinco em cada 1 milhão de pessoas, faz com que os órgãos vitais se desenvolvam fora de suas cavidades. No caso de Virsayia , seu coração não desenvolveu dentro da cavidade, mas abaixo da pele do tórax  e seus intestinos se desenvolveram fora do abdômen. [1]

    Já historiamos sobre Bethany Jordan, uma garota da cidade inglesa de Stourbridge, que sofre da Síndrome de Ivemark, uma síndrome patológica de etiologia desconhecida, caracterizada por problemas cardiovasculares. [2] Jordan também nasceu com alguns de seus órgãos invertidos, isso mesmo! O fígado, o intestino e o baço estavam posicionados de trás para frente. O fenômeno foi descoberto em exames de ultra-som enquanto ela ainda estava no útero de sua mãe.

    Sob o enfoque espíritas aprendemos que nos Estatutos de Deus não há espaço para injustiças. Desta forma, acreditamos que Virsayia e Bethany suicidaram-se em vidas passadas. Em verdade, conforme o tipo de suicídio empreendido (voluntário ou involuntário), brotam na estrutura do ser as desarmonias psíquicas e fisiológicas reflexas, que se manifestam nas diversas aberrações congênitas, inclusive a Pentalogia de Cantrell e a Síndrome de Ivemark, que se tornam terapêutica providencial na cura da alma.

    Antes de renascermos, examinando nossas próprias necessidades de aperfeiçoamento moral, muitas vezes, rogamos a limitação psicomotora na nova experiência física, para que essa condição nos induza à elevação de sentimentos. Solicitamos ou nos é sugerida ou infligida (pelos Benfeitores) a enfermidade de longa duração, capaz de nos educar os impulsos; essa ou aquela lesão física que nos exercite a disciplina; determinada mutilação que nos iniba o arrastamento à agressividade exagerada; o complexo psicológico que nos remova as idéias, etc. É a lógica de justiça da Reencarnação, o que nos remete a analisar as patologias congênitas pelo Princípio de Causa e Efeito.

    Nosso estado moral é que determinará os renascimentos com anomalias congênitas ou não. Chico Xavier conta o seguinte: Muitas vezes, temos encontrado irmãos nossos suicidas, que dispararam um tiro contra o coração, e que voltam com a cardiopatia congênita ou com determinados fenômenos que a medicina classifica dentro da chamada Tetralogia de Fallow; nós vemos companheiros que quiseram morrer pelo enforcamento e que voltam com a Paraplegia Infantil; nós vemos muitos daqueles que preferiram o veneno e que voltam com más formações congênitas; outras pessoas que violentaram o próprio ventre e que voltam, também, com as mesmas tendências e que, às vezes, acabam desencarnando com o chamado enfarto mesentérico.

    Conta ainda o médium de Uberaba, que vemos, por exemplo, aqueles que preferiram morrer pelo afogamento, num ato de rebeldia contra as leis de Deus e que voltam com o chamado enfisema pulmonar. Vemos, ainda, aqueles que dispararam tiros contra o próprio crânio e voltam com fenômenos dolorosos, como, por exemplo, a idiotia, quando o projétil alcança a hipófise; todas essas consequências, porque estamos em nosso corpo físico, mas subordinados ao nosso corpo espiritual. Então, principalmente os fenômenos decorrentes do suicídio, por tiro no crânio, são muito dolorosos, porque vemos a surdez, a cegueira, a mudez, e vemos esse sofrimento em crianças também, o que nos afigura incompatíveis com a misericórdia de Deus, porque nós sabemos que Deus não quer a dor. [3]

    Somos herdeiros de nossas ações pretéritas, tanto boas quanto más. O compromisso moral ou conta do destino criada por nós mesmos está impresso no corpo perispiritual.  Esses registros fluem para o corpo físico e culminam por determinar o equilíbrio ou o desequilíbrio dos campos vitais e físicos. É certo que junto de semelhantes quadros de provação regenerativa funciona a ciência médica por missionária da redenção, conseguindo ajudar e melhorar os enfermos de conformidade com os créditos morais que atingiram ou segundo o merecimento de que disponham.[4]

    Referências bibliográficas:
    [1]           Disponível no vídeo http://www.bbc.com/portuguese/geral-39185557  acessado em 31 de maio de 2017
    [2]           A Síndrome de Ivemark consiste de más formações de diferentes órgãos, e a expectativa de vida depende de como cada órgão, principalmente o coração, é afetado.
    [3]           XAVIER, Francisco Cândido. Pinga Fogo, São Paulo: Ed. Edicel, 1975
    [4]          XAVIER, Francisco Cândido. Religião dos Espíritos, Cap 48 , ditado pelo espirito Emmanuel, RJ: Ed FEB, 1999 

    14 de mai de 2017

    Algumas ideias que Einstein fazia sobre Deus (Jorge Hessen)

    "É"...Único


    Jorge Hessen

    No século XIX Kardec indagou dos Espíritos, "Onde se pode encontrar a prova da existência de Deus?". "Num axioma que aplicais às vossas ciências. Não há efeito sem causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem e a vossa razão responderá". Responderam os Espíritos (1) 

    A nossa compreensão de Deus muda na mesma proporção em que a nossa percepção sobre a vida se amplia. É uma tarefa difícil, quando o limitado tenta alcançar o Ilimitado, ou o finito entender o Infinito. Assim somos nós diante de Deus. As opiniões científicas ainda estão divididas quanto à origem do universo, mas há unanimidade num ponto, existe ordem no universo. 

    E "Sendo Deus a essência divina por excelência, unicamente os Espíritos que atingiram o mais alto grau de desmaterialização o podem perceber".(2) Assinalamos aqui uma pequena digressão: é interessante notar que geralmente, nós imaginamos Deus como alguma coisa absolutamente externa. Pensamos em Deus como um ser ou algo separado de nós, advindo muitos conflitos. 

    Ora! Se o Todo-Poderoso também está dentro de nós, podemos mudar por nossa própria vontade. Mas se acreditamos que o Pai celestial está exclusivamente do lado externo, então supomos que só Ele pode nos mudar e não nos transformamos pela nossa própria vontade. Achamo-nos então, constantemente, em presença da Divindade; nenhumas das nossas ações lhe podem subtrair ao olhar; o nosso pensamento está em contato ininterrupto com o seu pensamento, havendo, pois, razão para dizer-se que Deus vê os mais profundos refolhos do nosso coração. Albert Einstein, físico alemão de origem judaica que dispensa apresentações "quando, em 1921, perguntado pelo rabino H. Goldstein, de New York, se acreditava em Deus, respondeu: "Acredito no Deus de Spinoza, que se revela por si mesmo na harmonia de tudo o que existe, e não no Deus que se interessa pela sorte e pelas ações dos homens"(3) . 

    Nesta mesma ocasião, muitos líderes religiosos diziam que a teoria da relatividade "encobre com um manto o horrível fantasma do ateísmo, e obscurece especulações, produzindo uma dúvida universal sobre Deus e sua criação".(4) Tese que discordamos integralmente , pois Einstein confessou a um assistente que no fundo, seu único interesse era descobrir se no instante da criação Deus teve escolha de fazer um universo diferente e, caso tenha tido opção, por que é que decidiu criar esse universo singular que conhecemos e não outro qualquer? Dizia ainda, "Minha religião consiste em humilde admiração do espírito superior e ilimitado que se revela nos menores detalhes que podemos perceber em nossos espíritos frágeis e incertos. 

    Essa convicção, profundamente emocional na presença de um poder racionalmente superior, que se revela no incompreensível universo, é a ideias que faço de Deus".(5) 

    Outros cientistas expunham que da megaestrutura dos astros à infra-estrutura subatômica, tudo está mergulhado na substância viva da mente de Deus. O físico americano Paul Davies no seu livro intitulado Deus e a Nova Física afirma categoricamente que o universo foi desenhado por uma consciência cósmica.(6) O Universo, portanto, constituídos por esses milhões de sóis, regido por leis universais, imutáveis, completas, às quais acham-se sujeitas todas as criaturas, é a exteriorização do Pensamento Divino. Portanto, o Criador “É” Único.....

    Referência bibliográficas:

    1 Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, Rio [de Janeiro]: FEB, 1994, Questão 4
    2 Kardec, Allan. A Gênese, Rio de Janeiro: Ed Feb, 2001, Cap. II - A Providência, item 34.
    3 Citado em Golgher, I. O Universo Físico e humano e Albert Einstein, B.H: Oficina de Livros, 1991, p. 304.
    4 Citado em Idem, ibidem, pp 304-305.
    5 Einstein Albert. Extraído do livro "As mais belas orações de todos os tempos".
    6 Davies, Paul. Deus e a Nova Física, Lisboa: Edições 70, 1986, p. 157.

    2 de mai de 2017

    PRECE VERBALIZADA PELO PUBLICO (MAQUINAL)



    OLAVO:   Olá querido amigo, boa tarde.
    Paz e bênçãos à vc. e aos seus.

    Tenho visto seus artigos na Rede Amigos Espirita.
    Tem eles sempre uma conotação elucidativa e objetivando a divulgação da doutrina Espirita e sobretudo orientação aos adeptos do Espiritismo e simpatizantes, visto que nem todos os que fazem parte da Rede, são Espiritas.

    Este dias atrás, um confrade do centro que atuo, levantou uma questão que o publico presente, não deve acompanhar a prece de encerramento  em voz alta, deve sim fazê-la mentalmente.  

    Bem eu tenho comigo que algumas respostas para esse confrade amigo, mas ele é renitente e não aceita colocações que não esteja nos livros da codificação e outros que nos trazem muitas lições elucidativas, como os livros do Chico ditados por vários espíritos, principalmente os  da série de André Luiz.
    Eu tenho as minhas respostas como :
    1)- A prece deve ser feita com o coração e não com as palavras, portanto se mentais ou acompanhadas em voz alta conforme vê-se na co-irmã católica;
    2)- Deve-se respeitar o livre arbítrio de cada um, lógico que deve-se obedecer uma disciplina para tal, por exemplo se o publico presente desejar verbalizar, não deve fazê-lo em tom alto e sim de uma forma comedida;
    3)- Nós adultos aprendemos a prece quando alguém as fez verbalizando-a para nós quando é pequenos;
    4)- Ontem por exemplo, ao término dos trabalhos, poucos foram os que verbalizaram, não se ouvia os adultos, mas podia-se ouvir uma criança de 3 anos acompanhando a prece e verbalizando-a de forma com que todos podiam ouvi-la, assim, o que fazer, chamar a atenção de uma criança de 3 anos, só porque ela está repetindo a prece junto com o trabalhador que está fazendo o encerramento?
    Enfim, na minha opinião, esse é um assunto, tão infrutífero de ser discutido, quando há problemas maiores a serem colocados em pratica dentro de uma casa Espirita.

    Gostaria de saber , se vc tem algum  posicionamento e se vc tem lembrança de alguma recomendação na literatura Espirita a esse respeito.
    Tenho procurado sobre o assunto, mas não tenho encontrado nada especifico que mencione sobre essa questão.

    Caso o nobre amigo tenha algo a respeito, solicito a gentileza e enviar-me, pois , apreciaria demais ampliar meus conhecimentos sobre esse quesito.

    Fico no aguardo e endereço meu abraço fraterno.

    Fique na paz.

    Abraços
    OLAVO


    JORGE HESSEN: Você encontrará no opúsculo( publicado pela FEB ) "Orientação ao Centro Espírita" as melhores diretrizes para a condução doutrinária de uma instituição espírita. 
    Recomendo a sua leitura....
    Sobre o tema proposto antecipo que , não obstante, suas 4 justificativas sejam interessantes, opto por perfilar com o pensamento do confrade citado (por você), pois creio que  o público presente, não deve e nem precisa  acompanhar a prece de encerramento  em voz alta, deve e precisa sim fazê-la mentalmente.
     A mente é tudo.  Até mesmo para que não se possa ser tido  como RITUAL na percepção dos visitantes e/ou frequentadores (ainda neófitos)   , em face de um comportamento tradicional e costumeiro  do grupo espirita que assim procede. 
    Quanto às crianças , elas precisam ser orientadas , aliás, quanto mais cedo melhor , sobre a incoerência de uma prece ser verbalizada (maquinalmente)  pelo público de um centro espírita.
    Talvez o tema não seja tão "infrutífero" como se denota à primeira vista. É assunto importante e não se pode vacilar  nos pressupostos justificadores ante os supostos comportamentos inocentes porém,   bastante incoerentes para a racionalidade kardeciana.

    “Mediúnica” aberta ou fechada? (Jorge Hessen)




    Jorge Hessen

    Um leitor levanta um tema conveniente para elucidarmos. Descreve que frequenta várias casas com reuniões mediúnicas “abertas” (públicas). Acredita ser o modo correto. Embora com o passar dos anos tenha conhecido outras casas com as reuniões mediúnicas “fechadas” (privativas).

    Em face dele ler muito e observar, analisar, colher opiniões, sobretudo as que escrevemos para o Movimento Espírita Brasileiro, resolveu fazer a seguinte afirmativa: a quantidade de pessoas que passam a frequentar as casas espíritas após assistirem a comunicações do além “abertas” ao público é mais expressiva.

    Obviamente, sob o imperium da racionalidade espírita, não podemos concordar com a afirmativa desse nosso leitor, embora reconheçamos que ocorrem montões de convites às pessoas recém-chegadas ao centro para assistir e/ou frequentar as reuniões mediúnicas, o que representa uma extraordinária leviandade. Aliás, isso seria transformar o grupo mediúnico numa estranha sala de espetáculos de picadeiro espiritual.

    As sessões mediúnicas devem merecer dos dirigentes espíritas uma maior atenção. Não se compreende, pois, que uma sessão mediúnica, seja ela aberta a pessoas com pouca formação teórica do Espiritismo ou a curiosos e/ou a neófitos, contrariando as orientações dos Benfeitores. Allan Kardec abordou o tema quando respondeu aos leitores que lhe propunham abrisse ao público as sessões da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, medida com a qual não concordava em absoluto. [1]

    Kardec sugere além disso grupos pequenos, em face das potências mentais heterogêneas que há nos “grupões”. Uma reunião mediúnica “aberta ao público” é uma imponderação dispensável, porque tem acesso pessoas carregadas de anseios diversificados, que irão embaraçar, invariavelmente, o exercício espontâneo da mediunidade.

    Os Instrutores do além afiançam que uma reunião mediúnica é um grave trabalho, que se desenvolve na estrutura perispirítica, e se a equipe é inábil, é compreensível que muitos embaraços psíquicos sucedam por negligência da mesma. Em face disso, o intercâmbio com o além não deve ser aberto ao público porque, conforme proferimos acima, transformaria-se numa arena circense com feição especulativa, exibicionista, destituída de intuito elevado, costumes tais que ferem mortalmente os postulados reveladores da Doutrina Espírita.

    Mesmo nas reuniões mediúnicas privativas deve-se manter um número ideal de membros, não excedente a 20 pessoas, para que se evitem essas perturbações naturais nos grupamentos massivos. É óbvio que quaisquer argumentos utilizados para defender as reuniões mediúnicas "fechadas ao público" não isentam os grupos "fechados" das influências, pensamentos, desequilíbrios e desarmonias. Contudo, isso é dificuldade moral do grupo e não da especificidade privativa da mesma.

    Não podemos e nem devemos esquecer que o Espírito de Verdade nos recomenda: "Espiritas, amai-vos uns aos outros, eis o primeiro ensinamento, instrui-vos eis o segundo". [2] Este alerta nos conscientiza do tamanho da responsabilidade que nos pesa sobre os ombros. Grupos mediúnicos sérios fazem reuniões periódicas de avaliação das atividades e assim todos os integrantes da equipe possam se afinizar e conversar, eliminando algum conflito doutrinário que possa haver entre si.

    Ademais, para que não se abra espaço para a teatralização de “psicofonias” (quase sempre anímicas – “tipo Bezerra/Divaldo”) e “psicografias” em público, lembremos que não há médiuns especiais e ninguém é melhor que ninguém, devendo todos estarem abertos ao aprendizado permanente e seu devido aperfeiçoamento. Dizem que Divaldo recebe Bezerra em público e Chico psicografava em público. Sim, é verdade, mas será que temos novos Chicos e Divaldos? Exceto os imitadores!

    Ah!, para concluir nossos esclarecimentos, recomendamos que se algum confrade quiser frequentar uma reunião mediúnica para ouvir e instruir-se (ao vivo) as supostas “mensagens do além”, que trate de estudar as Obras codificadas por Allan Kardec.

    Referências bibliográficas:

    [1] KARDEC. Allan. Revista Espírita, maio 1861, pág. 140, Brasília: Ed Edicel, 2002.


    [2] KARDEC. Allan O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. VI, item 5, RJ: Ed. FEB, 2002

    24 de abr de 2017

    Destino e a opção pelo caminho certo (Jorge Hessen)


    Jorge Hessen


    "Christiana, me prometa uma coisa. Aconteça o que acontecer na sua vida, nunca pare de caminhar", disse certa vez sua mãe, naqueles tempos miseráveis em que ela se chamava Christiana Mara Coelho. Sua primeira casa foi uma caverna no Parque Estadual do Biribiri, reserva natural próxima à cidade mineira de Diamantina. A segunda, uma favela de São Paulo. Mas quando ela tinha oito anos de idade foi levada para a Suécia pelos pais adotivos e passou a se chamar Christina Rickardsson.

    A história das duas vidas de Christina se tornou um best-seller na cena literária da Suécia, com título dedicado às palavras da mãe. Sluta Aldrig Gå (Nunca Pare de Caminhar), livro de estreia da autora brasileira que já não fala o português. Junto com o livro, Christina Rickardsson também realizou outro sonho: criar uma fundação de assistência a crianças carentes no Brasil, a Coelho Growth Foundation. A fundação já desenvolve projetos de assistência a crianças em uma creche e dois orfanatos de São Paulo - incluindo aquele onde Christina viveu. A autora conta que também iniciou um projeto de colaboração com as favelas de Heliópolis, em São Paulo, e do Complexo da Maré, no Rio de Janeiro. [1]

    Certa vez um amigo enunciou a seguinte citação: “o que é o destino, senão um gigante que achincalha nanicos seres como nós.”. Avaliando a história de Rickardsson podemos falar de “destino”, “carma” e “livre arbítrio”, não necessariamente nessa sequência.

    A existência do destino supõe que nada acontece por acaso, mas que tudo tem uma causa predeterminada, isto é, os acontecimentos não surgem do nada, mas sim dessa força desconhecida. A corrente filosófica do determinismo defende que todos os pensamentos e todas as ações humanas se encontram causalmente determinados por uma cadeia de causa e consequência. Para o determinismo radical, não existe nenhum acontecimento que seja por acaso ou coincidência, ao passo que o determinismo flexível sustenta que existe uma correlação entre o presente e o futuro, submetida à influência de eventos aleatórios.

    A expressão “carma” não é citada por Kardec, ou pelos espíritos comunicantes das obras básicas. Todavia, como sinônimo de ação e reação, a cada nova existência o homem experimentará novos desafios, inexoravelmente, até atingir a perfeição.

    Para muitas religiões, o destino é um plano criado por Deus que não pode ser alterado pelos seres humanos. O Espiritismo, por sua vez, não advoga que exista uma predestinação absoluta e defende que Deus dotou o homem do livre arbítrio (o poder para tomar as suas próprias decisões). Nossa ponderação é no sentido de amoldarmos o conceito destino, retirando-lhe os conteúdos deterministas, para uma visão larga e transcendental, mais apropriada com os aspectos educativos e retificadores da reencarnação.

    Na questão 132 de O Livro dos Espíritos, o Codificador interroga sobre qual seria o objetivo da encarnação. Os Espíritos explicam que “A lei de Deus impõe a encarnação com o objetivo de fazer-nos chegar à perfeição...”. Ainda com relação ao destino, utilizado como sinônimo de “fatalidade”, Kardec pergunta aos espíritos, no item nº 851: “Haverá fatalidade nos acontecimentos da vida, conforme o sentido que se dá a essa palavra, ou seja, todos os acontecimentos são predeterminados? Nesse caso, como fica o livre-arbítrio?” Os Benfeitores aclaram o tema elucidando – A fatalidade existe apenas na escolha que o Espírito faz ao encarnar e suportar esta ou aquela prova. E da escolha resulta uma espécie de destino, que é a própria consequência da posição que ele próprio escolheu e em que se acha. Falo das provas de natureza física porque, quanto às de natureza moral e às tentações, o Espírito, ao conservar seu livre-arbítrio quanto ao bem e ao mal, é sempre senhor para ceder ou resistir ...”. [2]

    Christina Rickardsson, após ser adotada, escolheu seu rumo de vida. A liberdade de escolher nosso próprio destino, todos os dias, torna-se o diferencial entre o gênero humano e os animais inferiores, que ainda não podem discernir entre o bem e o mal, o certo e o errado, o moral e o imoral. Evoluir é o nosso destino, como evoluir, pelo conhecimento ou através da dor, é sempre uma questão de escolha.

    O que não podemos mudar são os fatos principais da nossa reencarnação, os quais traçamos juntamente com nossos “padrinhos” espirituais, no momento da escolha da vida que merecemos e precisamos ter. “A cada um será dado segundo suas obras”. No mundo espiritual, no intervalo das reencarnações, escolhemos, consciente ou inconscientemente, o gênero de provas, de acordo com nossas necessidades e possibilidades adquiridas pela conduta.

    Entretanto, ao reencarnarmos, não ficamos escravos desse modo de vida, uma vez que as particularidades correm por nossa conta. A todo instante, podemos escolher a atitude a tomar, como disseram as Entidades Sublimadas: “Dando ao Espírito a liberdade de escolher, Deus lhe deixa a inteira responsabilidade de seus atos e das consequências que estes tiveram. Nada lhe estorva o futuro; abertos se lhe acham, assim, o caminho do bem, como o do mal”. [3] Rickardsson optou pelo caminho sensato, pois que percebeu que como ela existem irmãos necessitados do amparo para orientar a tomada de melhores decisões, que estão sim ao nosso alcance, e que uma vez que enxerguemos esse propósito, naturalmente estaremos cumprindo o real sentido da vida, e fazendo o bom uso de nossa oportunidade do livre arbítrio.



    Referências bibliográficas:

    [1] Disponível em http://www.bbc.com/portuguese/internacional-39203681 acesso 23/o4/2017
    [2] KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, RJ: Ed. FEB, 2002, per. 132 e 851 

    [3] idem questão 258

    17 de abr de 2017

    Caiu do avião, do paraquedas, do arranha céu e não faleceu – “milagre”? (Jorge Hessen)


    Jorge Hessen 

    Só metade das pessoas que caem de uma altura de três andares sobrevivem. Se forem dez andares, quase ninguém resiste. Mas, incrivelmente, o equatoriano Alcides Moreno, um limpador de janelas de Nova York, sobreviveu a uma queda de 47 andares do edifício Solow Tower, em Manhattan, na manhã de 7 de dezembro de 2007. "É um milagre", disse Herbert Pardes, então presidente do Hospital Presbiteriano de Nova York, onde Alcides foi atendido. Os espíritas não acreditamos em “milagres”. [1] 

    Consideremos outros fatos mais assombrosos. James Boole, Nicholas Alkemade, Vesna Vulóvic e Alan Magee também desafiaram as leis naturais conhecidas pela ciência ao escaparem da “morte” física a quedas de alturas elevadíssimas. 

    James Boole saltou na Rússia do avião, seu paraquedas não funcionou e caiu sobre pedras cobertas de neve, a uma velocidade de 160 km/h – mesmo assim Boole não desencarnou, e apenas fraturou uma costela. 

    Nicholas Alkemade, sargento e membro da RAF, estava voando pela Alemanha quando seu avião foi atacado. A aeronave logo virou uma bola de fogo em queda livre. Como seu paraquedas foi destruído pelo fogo, Alkemade resolveu ter uma “morte” rápida saltando do avião para não sofrer sendo queimado lentamente. Ele caiu de 5500 metros, mas o impacto foi absorvido por árvores e pela neve que cobria o chão. Nicholas sofreu apenas uma torção na perna. 

    Vesna Vulóvic é uma aeromoça que sobreviveu a uma queda de dez mil metros. Com 22 anos, Vesna era comissária de bordo da Yugoslav Airlines. No seu vôo havia uma bomba instalada por terroristas croatas. A parte em que estava no avião caiu em uma encosta coberta de neve, e Vesna foi a única sobrevivente do acidente. As outras 28 pessoas, incluindo pilotos, comissários e passageiros, desencarnaram. 

    Alan Magee é um piloto americano que sobreviveu a uma queda de mais de 6500 metros enquanto estava sob ataque, na Segunda Guerra Mundial. Ele caiu sobre o vidro da Estação de Trem St. Nazaire, em uma missão na França. De alguma forma o vidro amorteceu sua queda. Ele foi capturado por tropas alemãs posteriormente, que ficaram impressionadas com o feito. 

    Como notamos, os personagens são pontos fora da curva, ou seja, não desencarnaram. Será que há alguma explicação espírita para os fatos? Das leis naturais ignoramos seus meandros, sobretudo considerando a gravitação. Recordemos que na época das “mesas girantes” os espíritos conseguiam promover a levitação de objetos pesados, desafiando, pois, as leis da física conhecida (gravidade). 

    Há pessoas que sobrevivem a um perigo mortal mas em seguida “morrem” noutro. “Parece que não podiam escapar da “morte”. Não há nisso fatalidade?, perguntou Allan Kardec aos Espíritos. Estes foram categóricos: “Fatal, no verdadeiro sentido da palavra, só o instante da morte o é. Chegado esse momento, de uma forma ou doutra, a ele não podeis furtar-vos.”[2] O Codificador insistiu: “Assim, qualquer que seja o perigo que nos ameace, se a hora da “morte” ainda não chegou, não morreremos? Os Benfeitores pacificaram: “Não; não perecerás e tens disso milhares de exemplos. Quando, porém, soe a hora da tua partida, nada poderá impedir que partas.” [3] 

    Reflitamos o seguinte: Por não ter chegado a hora da “morte” de Moreno, Boole, Alkemade, Vulóvic e Magee, considerando as situações extremas vividas, seria admissível que eles fossem resguardados por intervenções do além, numa espécie de “anulação” da lei da gravidade conhecida? Não é simples responder tais questões. O senso comum diz que ninguém “morre” de véspera. Ora, se só “morremos” quando é chegada a hora, então uma pessoa assassinada “morre” na hora certa? Como fica o livre arbítrio do assassino nesse caso? 

    Importa acender a luz para uma boa discussão aqui. Por diversas razões e é natural que alguém possa ter a vida interrompida antes do tempo tanto quanto possa ter a vida delongada durante o transcurso de uma existência. 

    Será que o Espírito que comete um assassinato sabia que reencarnou para matar? “Não! Responderam os Benfeitores. “Escolhendo uma vida de lutas, sabe que terá ensejo de matar, mas não sabe se matará, visto que ao crime precederá quase sempre, de sua parte, a deliberação de praticá-lo. Ora, aquele que delibera sobre uma coisa é sempre livre de fazê-la, ou não. Se soubesse previamente que teria que cometer um crime, o Espírito estaria a isso predestinado. Ora, ninguém há predestinado ao crime e todo crime, como qualquer outro ato, resulta sempre da vontade e do livre-arbítrio. [4] 

    O tema parece simples, porém apresenta as suas complexidades. E para complicar um pouquinho, os Espíritos reenfatizam - “venha por um flagelo a “morte”, ou por uma causa comum, ninguém deixa por isso de “morrer”, desde que haja soado a hora da partida.” [5] Será que tudo que se relacione à “morte” está “escrito”? (assassinato, por exemplo?). Onde encaixar o livre-arbítrio aqui? 

    Reconheço, com muita humildade, que há “mistérios” inexplicáveis muito além da minha nanica razão. E mais, “do fato de ser infalível a hora da “morte” poder-se-á deduzir que sejam inúteis as precauções que tomemos para evitá-la? Os Espíritos dizem que “não!, visto que as precauções que tomamos são sugeridas com o fito de evitarmos a morte que nos ameaça. São um dos meios empregados para que ela não se dê.”[6] 

    No caso dos personagens que protagonizam este artigo, considerando as condições extremas, diria quase que surreais que sucederam, como sobreviveram? Foi porque não “soou a hora da partida” deles? Hum!?... 

    Quanto ao “milagre” citado por Herbert Pardes, presidente do Hospital Presbiteriano de Nova York, esclarecemos que o Espiritismo considera de um ponto mais elevado a religião cristã; dá-lhe base mais sólida do que a dos “milagres”: as imutáveis leis de Deus, a que obedecem assim o princípio espiritual, como o princípio material. Essa base desafia o tempo e a Ciência, pois que o tempo e a Ciência virão sancioná-la. [7] 

    Referências bibliográficas: 

    [1] Disponível em http://www.bbc.com/portuguese/geral-39216175 acesso 10/04/2017 

    [2] KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, per. 53, RJ: Ed. FEB, 2000 

    [3] Idem, per. 53-a 

    [4] Iem , per. 861 

    [5] Idem, per. 738 

    [6] Idem, per. 854 


    [7] KARDEC, Allan. A Gênese,”Os milagres segundo o Espiritismo”, Capítulo XIII, RJ: Ed FEB, 2000 

    13 de abr de 2017

    Vida inteligente só existe na Terra? (Jorge Hessen)




    Jorge Hessen
    jorgehessen@gmail.com

    Há dois mil anos, Jesus anunciou que "há muitas moradas na Casa do meu Pai". (1) Presentemente, não é difícil compreendermos que Deus criou Sua Casa (Universo), em cuja moradas estão os incontáveis planetas. Astrônomos detectaram atmosfera ao redor de GJ 1132b, um exoplaneta rochoso de um tamanho próximo ao da Terra, o que representa um passo significativo na busca de vida fora do nosso Sistema Solar.

    É a primeira vez que se detecta uma atmosfera ao redor de um planeta com uma massa e um raio semelhantes aos da Terra", disseram os cientistas, cuja descoberta foi publicada na revista Astronomical Journal. (2) Esta detecção faz do planeta GJ 1132b um alvo prioritário de observações para o telescópio espacial Hubble, o telescópio gigante europeu de Observação Austral (ESO), que está no Chile, assim como para o futuro James Webb Space Telescope, cujo lançamento está previsto para 2018. (3)

    Há duas décadas, a Astronomia tem registrado a descoberta de centenas de novos planetas, pertencentes a outros sistemas planetários. Na conferência anual da Sociedade Astronômica Norte-Americana, em cada descoberta, envolvendo os planetas de fora do nosso Sistema Solar (exoplanetas), apontam para a mesma conclusão: orbes, como a Terra, são, provavelmente, abundantes, apesar do violento Universo de estrelas explosivas, buracos negros esmagadores e galáxias em colisão.

    O Sistema Solar possui 9 planetas com 57 satélites. No total, são 68 corpos celestes. E, para que tenhamos noção de sua insignificância, diante do restante do Universo, "nosso Sistema compõe um minúsculo espaço da pequena da Via Láctea" (4), ou seja, um aglomerado de, aproximadamente, 100 bilhões de estrelas, com, pelo menos, cem milhões de planetas, que, segundo Carl Seagan, no mínimo, 100 mil deles com vida inteligente e mil com civilizações mais evoluídas que a nossa. (5)

    Segundo Allan Kardec , "repugna à razão crer que esses inumeráveis globos que circulam no espaço não são senão massas inertes e improdutivas."(6) A Ciência vem descobrindo, incessantemente, planetas situados em outros sistemas estelares. No campo das pesquisas científicas "o Espiritismo jamais será ultrapassado, porque, se novas descobertas lhe demonstrarem estar em erro, acerca de um ponto qualquer, ele se modificará nesse ponto. Se uma verdade nova se revelar, ele a aceitará." (7)

    Aqueles seres, explica o mentor de Chico Xavier: "angustiados e aflitos, que deixavam, atrás de si, todo um mundo de afetos, não obstante os seus corações empedernidos na prática do mal, seriam degredados na face obscura do planeta terrestre; andariam desprezados na noite dos milênios da saudade e da amargura; reencarnariam no seio das raças ignorantes e primitivas, a lembrarem o paraíso perdido nos firmamentos distantes. Por muitos séculos, não veriam a suave luz da Capela, mas trabalhariam na Terra acariciados por Jesus e confortados na sua imensa misericórdia."(8) Sobre isso Agostinho afirmou no século XIX que "não avançar é recuar, e, se o espirito não se houver firmado bastante na senda do bem, pode recair nos mundos de expiação, onde, então, novas e mais terríveis provas o aguardam".(9)

    Na Revista Espírita de Agosto/1858, publicou um desenho psicopictografado (desenho mediúnico) e assinado pelo Espírito Bernard Palissy, célebre oleiro do século XVI, referente “a uma habitação em Júpiter, que seria a casa de Mozart. Somos também informados de que Cervantes seria vizinho de Mozart e que por lá também viveria Zoroastro.” (10)

    Em 1938 o Espírito Emmanuel informou que na “Constelação do Cocheiro, cerca de 42 anos luz distante de nós, há o sistema de Capela, de onde milhares de anos atrás alguns milhões de Espíritos rebeldes que lá existiam, foram deportados para o nosso planeta. Aqui aprenderiam a realizar, na dor e nos trabalhos penosos, as grandes conquistas do coração, impulsionando simultaneamente o progresso dos seres terrestres.". (11)

    Na questão 172 de O Livro dos Espíritos, Kardec perguntou: “As nossas diversas existências corporais se verificam todas na Terra?”, ao que os Espíritos responderam: “Não; vivemo-las em diferentes mundos. As que aqui passamos não são as primeiras, nem as últimas; são, porém, das mais materiais e das mais distantes da perfeição.”. (12)

    Sabe-se hoje em dia existirem, pelo Universo observável, pelo menos 10 bilhões de galáxias. Em 1991, em Greenwich, na Inglaterra, o observatório localizou um quasar (possível ninho de galáxias) com a luminosidade correspondente a 1 quatrilhão de sóis [isso mesmo, 1 quatrilhão!]. Acreditar que somente a Terra tenha vida é supor que todo esse imensurável Universo tenha sido criado sem utilidade alguma, e seria uma impossibilidade matemática que num Universo tão inimaginável não se tivesse desenvolvido vida inteligente, senão neste pequeno planeta. Aliás, seria um incompreensível desperdício de espaço.

    Referências bibliográficas:
    [1]João 14:2
    [2]https://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/afp/2017/04/07/detectada-atmosfera-ao-redor-de-exoplaneta-do-tamanho-da-terra.htm
    [3]https://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/afp/2017/04/07/detectada-atmosfera-ao-redor-de-exoplaneta-do-tamanho-da-terra.htm
    [4]As últimas observações do telescópio Hubble (em órbita), mostram o número de galáxias conhecidas de 50 milhões.
    [5]XAVIER, Francisco Cândido. Carta de uma morta, ditado pelo Espirito Maria João de Deus, São Paulo: LAKE, 1999.
    [6]XAVIER, Francisco Cândido. Novas Mensagens, ditado pelo espírito Humberto de Campos, Rio    de Janeiro: Ed. FEB,  1940
    [7]FLAMMARION Nicolas Camille. Urânia, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 1990.
    [8]KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 2001, perg. 55
    [9]Disponível em http://jorgehessenestudandoespiritismo.blogspot.com.br/2010/01/argumentos-espiritas-sobre-existencia.html
    [10]KARDEC, Allan. Na Revista Espírita de Agosto/1858, Brasília: Editora EDICEL, 2002
    [11]XAVIER, Francisco Cândido. A Caminho da Luz, RJ: Ed. FEB, 2002
    [12]KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, questão 172, RJ: Ed FEB, 2002

    Sempre pela conservação da vida ante a moléstia delongada (Jorge Hessen)


    Jorge Hessen



    No dia 11 de abril de 2017,  a Justiça britânica autorizou aos médicos desconectar, contra a vontade dos pais, o suporte vital a Charlie Gard , um bebê de oito meses,  que sofre de uma rara doença genética.  A decisão do Alto Tribunal foi recebida com gritos de "não!" pela família, que pretendia levar o bebê aos Estados Unidos para um tratamento experimental. No entanto, os médicos do Hospital Great Ormond Street de Londres consideram que já é hora de que a criança, que sofre de danos cerebrais, receba cuidados paliativos.

    Os pais de Charlie Gard estão "arrasados" com a decisão judicial, segundo sua advogada, Laura Hobey-Hamsher. O juiz Nicholas Francis disse que tomou a decisão "com a maior das tristezas", mas com "a absoluta convicção" de estar fazendo o melhor para o bebê, que merece "uma morte digna".

    Durante o julgamento, uma médica explicou que a criança já não ouve nem se mexe, e que está sofrendo desnecessariamente. Charlie tem uma forma de doença mitocondrial que causa o enfraquecimento progressivo dos músculos e danos cerebrais.

    O caso despertou grande interesse no Reino Unido e seus pais, Chris Gard e Connie Yates, abriram uma campanha de arrecadação de fundos que atingiu o 1,2 milhão de libras de que necessitavam para levar a criança aos Estados Unidos, graças às doações de mais de 80.000 pessoas.[1]

    Temos aqui um exemplo clássico de autorização de eutanásia ? Cremos que não! - A eutanásia encerra outra característica, lembrando que é uma prática que não tem o apoio da Doutrina Espírita. Apareceu, no entanto, ultimamente a ideia de ortotanásia, defendida até mesmo por médicos espíritas.

    Muitos médicos revelam que eutanásia é prática habitual em UTI’s do Brasil, e que apressar, sem dor ou sofrimento, a morte de um doente incurável é ato frequente e, muitas vezes, pouco discutido nas UTIs dos hospitais brasileiros. Apesar de a Associação de Medicina Intensiva Brasileira negar que a eutanásia seja frequente nas UTIs, existem aqueles que admitem razões mais práticas, como, por exemplo, a necessidade de vaga na UTI, para alguém com chances de sobrevivência, ou a pressão, na medicina privada, para diminuir custos.

    Nos Conselhos Regionais de Medicina, a tendência é de aceitação da eutanásia, exceto em casos esparsos de desentendimentos entre familiares, sobre a hora de cessar os tratamentos. Médicos e especialistas em bioética defendem, na verdade, um tipo específico de eutanásia, a ortotanásia que é o caso acima de Charlie Gard, que seria o ato de retirar equipamentos ou medicações, de que se servem para prolongar a vida de um doente terminal.

    Ao retirar esses suportes de vida (equipamentos ou medicações ), mantendo apenas a analgesia e tranquilizantes, espera-se que a natureza se encarregue da morte. A eutanásia vem suscitando controvérsias nos meios jurídicos, lembrando, no entanto, que a nossa Constituição e o Direito Penal Brasileiro são bem claros: constitui assassínio comum. Nas hostes médicas, sob o ponto de vista da ética da medicina, a vida é considerada um dom sagrado e, portanto, é vedada ao médico a pretensão de ser juiz da vida ou da morte de alguém.

    A propósito, é importante deixar consignado que a Associação Mundial de Medicina, desde 1987, na Declaração de Madrid, considera a eutanásia como sendo um procedimento eticamente inadequado. No aspecto moral ou religioso, sobretudo espírita, lembremos que não são poucos os casos de pessoas desenganadas pela medicina, oficial e tradicional, que procuram outras alternativas e logram curas espetaculares, seja através da imposição das mãos, da fé, do magnetismo, da homeopatia ou mesmo em decorrência de mudanças comportamentais.

    Criaturas outras, com quadros clínicos de doenças incuráveis, uma vez posto o magnetismo em atividade, também conseguem reverter as perspectivas de uma fatalidade, com efetivas melhoras, propiciando horizontes de otimismo para suas almas. Não cabe ao homem, em circunstância alguma, ou sob qualquer pretexto, o direito de escolher e deliberar sobre a vida ou a morte de seu próximo, e a eutanásia ou mesmo a ortotanásia, essa falsa piedade, atrapalha a terapêutica divina, nos processos redentores da reabilitação.

    Nós, espíritas, sabemos que a agonia prolongada pode ter finalidade preciosa para a alma e a moléstia incurável pode ser, em verdade, um bem. Nem sempre conhecemos as reflexões que o Espírito pode fazer nas convulsões da dor física e os tormentos que lhe podem ser poupados graças a um relâmpago de arrependimento.

    Dessa forma, entendamos e respeitemos a dor, como instrutora das almas e, sem vacilações ou indagações descabidas, amparemos quantos lhes experimentam a presença constrangedora e educativa, lembrando sempre que a nós compete, tão-somente, o dever de servir, porquanto a Justiça, em última instância, pertence a Deus, que distribui conosco o alívio e a aflição, a enfermidade, a vida e a morte, no momento oportuno. O verdadeiro cristão porta-se, sempre, em favor da manutenção da vida e com respeito aos desígnios de Deus, buscando não só minorar os sofrimentos do próximo - sem eutanásias/ortotanásias, claro! - Mas também confiar na justiça e na bondade divina, até porque nos Estatutos de Deus não há espaço para injustiças.

    Referência:


    [1] Disponível em http://exame.abril.com.br/mundo/contra-vontade-dos-pais-juiz-britanico-autoriza-morte-de-bebe/,
    Acessado em 11 de abril de 2017

    7 de abr de 2017

    Mexeu com "um" mexeu com todos? Uma reflexão pró-Kardec



    Certa feita expedi para alguns consagrados escritores espíritas  uma atraente “NOTA” assinada  por  Evandro Noleto  e publicada na revista Reformador, fazendo alusão   à Superioridade da natureza de Jesus  conforme contido no  Cap. 15 do livro A Gênese.
    Passados alguns dias o tema provocou alguns retornos interessantes dos consagrados escritores. Mas , mexeu com a cachimônia de um roustanguista frequentador da FEB.

    Vejamos como foram os diálogos: 


    Jorge Hessen escreveu: 

    Novos tempos na FEB? Amigos, li o texto conforme link abaixo e adorei, todavia tenho certeza que os roustanguistas febianos  não  devem ter deglutido. Vide o texto do Evandro Noleto, editor de   Reformador, que teve lucidez e coragem para consignar a NOTA abaixo do artigo  “Superioridade da natureza de Jesus”.  Recomendamos a leitura da tal nota assinada pelo editor.. link da FEB  http://www.souleitorespirita.com.br/reformador/noticias/superioridade-da-natureza-de-jesus/


    Repercussão:


    J.S. escreveu:  

    Amigo Jorge Hessen; Desculpe-me a demora na análise deste e-mail, mas é que estive muito atarefado, e você melhor do que eu compreende o que desejo dizer, pois suas atividades são ainda maiores que as minhas. Mas vamos à questão em pauta, pois esta é realmente muito interessante. Trata-se de um confrade esclarecido o Sr. Evandro Noleto, editor de o Reformador, que ilhado por Roustanguistas, não se permitiu contaminar, e escreveu um texto muito bom, lógico e racional, sobre a superioridade da natureza de Jesus.
    E como sabemos, os adeptos de Roustaing, na FEB são a maioria, e não devem ter ficado nem um pouco satisfeitos; acredito até que o Evandro seja punido, senão exonerado mesmo. Corajosamente o editor de o reformador, desmistifica o que nos é apresentado em os Quatro Evangelhos de Roustaing, pois nestes somos informados de que Jesus não viveu na terra revestido de um corpo de matéria, era um agêneres, constituído de um corpo fluídico.
    Esta mistificação de Roustaing transforma Jesus no espírito mais mistificador que teríamos conhecido, pois fingiu sofrer com as chicotas, depois fingiu viver uma dor angustiante ao ser pregado na cruz, e mais, mistificou ao derramar sangue no momento da crucificação; pelo que podemos entender um corpo fluídico, não tem em sua constituição o plasma sanguíneo.
    Não vou descrever outros misticismos que estão inseridos nos quatro evangelhos de Roustang, pois já é do conhecimento da maioria, e tornar-se-ia redundante, mas eu fico a me perguntar; será que o Ilmo. Presidente Jorge Godinho, acredita mesmo nesse misticismo  grasso que é o Roustanguismo, ou ele se submete tão somente para manter-se no cargo?
    Eu desejaria muito que ele me respondesse para que pudéssemos polemizar essa mística absurda que a FEB vem tentando a mais de um século inserir na doutrina espirita, mas infelizmente nosso amigo querido não tem tido disposição para encarar essa empreitada. Jorge Hessen estou enviando meus pensamentos aqui inseridos, também para o Jorge Godinho, pois do contrário seria falar dele, sem que ele soubesse do que eu estou dizendo a seu respeito, e isso seria uma atitude indigna de minha parte.
    Amigo querido, será que um dia o amigo Jorge Godinho vai se dispor a trocarmos ideias a respeito. desse misticismo insustentável de Roustang? Vamos aguardar.
    Um forte abraço meu amigão. J.S.


    O  articulista e discípulo de Roustaing  Jorge Leite,  frequentador da FEB,  manifestou-se “oficiosamente” nos seguintes termos:


    Caro J.S., amigos E.K. e A.O. e a quem mais possa interessar.
    Não incluí o Jorge Hessen porque não está nos meus contatos de E-mail e, quando tentei incluí-lo li uma observação de que eu "não estava nos seus contatos, teria que ter autorização para incluí-lo", etc. Lamento, pois, não contatá-lo diretamente, uma vez que o cito abaixo, embora o não conheça pessoalmente e, sim, principalmente pelos ataques sistemáticos que faz à Federação Espírita Brasileira, a quem sempre critica como "roustanguista".
    Quanta bobagem dita por pessoas muito cultas, mas pouco sábias quanto atacam a Federação Espírita Brasileira (FEB) com a pecha de roustanguista e, quando não é por isso, sempre têm algo a criticá-la. Por que não frequentam a FEB, durante um ou dois anos, antes de criticar o chamado roustanguismo da Instituição venerável?
    Vão lá, de domingo a domingo. Assistam às aulas da FEB, às explanações de segunda a sexta-feira, às aulas do ESDE e do EADE, compareçam às palestras de terças, sextas e domingos, e vejam se ali é, ao menos citado Roustaing, exceção a eventual citação na reunião pública de terça-feira, ainda assim raramente, quando se evita os assuntos controversos, para depois fazer suas críticas.
    Repito: apenas num dia da semana as obras de Roustaing são estudadas, mas evitando-se sempre a polêmica e buscando a consonância dos ensinos morais do Cristo ali existentes com os que o Cristo pregou e Kardec comentou, sistematizou e praticou sem polemizar com ninguém. Coisa que falta a muita gente, inconformada por não ter acesso ao poder espiritual que imaginam ter direito, embora jamais tenham exercitado a tolerância e a fraternidade entre seus próprios confrades espíritas.
    Jamais se impõe na FEB as obras de Roustaing, e digo isso como quem frequenta essa Casa há quase quarenta anos. Muito menos se pode dizer que a maioria dos seus dirigentes é roustanguista,  menos ainda seus colaboradores. Vão lá, se me consideram mentiroso e roustanguista.
    Vejam com seus próprios olhos. Façam mais, visitem o Lar Frederico Fígner, voltado à prática da autêntica caridade, na 910 Norte, em Brasília, ou o Núcleo Espírita Guillon Ribeiro, aos sábados, no período matutino, em Santo Antônio do Descoberto, GO, instituições mantidas pela Federação. Vejam, pessoalmente, em todas as atividades desses núcleos, se a obra de Roustaing ao menos é citada, em qualquer dia da semana. Façam mais, dediquem-se à Instituição Febiana por algumas décadas, como colaboradores em atividades diversas (explanação, monitoração, distribuição de cestas básicas, recepção e acolhimento fraterno, estudo das obras básicas de Allan Kardec, revisões de suas obras, análises de obras propostas para publicação etc. etc. etc.)
    Já está na hora de dar um basta aos ataques à FEB e a qualquer instituição espírita, para o bem da Doutrina Espírita. Que é isso? Somos ou não somos espíritas? Se o somos, não nos cabe incentivar a divisão e sim, buscar a união, assumirmos nossa condição de Espíritas cristãos.
    Minha família, assim como eu, fomos evangelizados na FEB, e isso  nos tem sido motivo de orgulho familiar. Ali, durante mais de trinta anos, proferi palestras e fui monitor do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (ESDE)  e do Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita (EADE). Raríssimas vezes, ao longo desses 37 anos em que lá estou, ouvi falar-se sobre Roustaing, que li na juventude e conheço, por também ter lido, a opinião de Kardec sobre a obra Os quatro evangelhos, atribuídos a Roustaing que, na realidade, não foi psicografada por ele e que, inclusive, é citada por Allan Kardec como obra complementar em seu livro intitulado O espiritismo na sua expressão mais simples.
    Não pleiteio e nunca pleiteei cargo na FEB, meu único objetivo é atender o que o Cristo recomendou: "Meus discípulos serão reconhecidos por muito se amarem". Se ainda não consegui minha transformação moral, como exigir a do meu próximo? Meu objetivo não é e nunca foi a promoção pessoal e sim, aprender e servir sempre, com "Deus, Cristo e caridade" como lema, sem ataque a qualquer instituição espírita e esforçando-me em tratar com urbanidade e respeito meu próximo, seja ele quem for.
    Nunca vi Jorge Hessen na sede da Federação Espírita em Brasília e, se ele ali já esteve, nunca nos encontramos. Se ofendi algum de vocês, perdoem-me, não voltarei ao assunto, mas não é desse modo que estaremos trabalhando pela difusão do Espiritismo no Brasil e no mundo. Também não é isso o que Kardec e Jesus esperam de nós. O que Jesus nos pede é que, assim como Ele, sejamos os mais humildes servidores de todos, sem qualquer prurido pelo poder, seja ele material ou espiritual.
    “Fraternalmente”,
    Jorge leite


    A partir desse “estouro” não reprimido do articulista roustanguista  Jorge Leite,  os renomados escritores arrostaram a suscitação, com racionalidade e bom senso conforme podemos  observar abaixo:


    J.S.  escreveu-me:

    Jorge Hessen , meu amigo querido; 
    Eu vou responder, pois esperava ansioso uma oportunidade destas, falando ao Jorge Leite, estarei a falar a todos os roustanguistas da FEB, e alguns espalhados pretendendo confundir-se como espíritas.
    Vou começar um repto respeitoso, atento ao amor, mas amando muito mais o espiritismo, do que a mim próprio, descerei do pedestal de minhas ilusões, e ciente de que eles não têm argumentos lógicos, vou proporcionar-lhes uma oportunidade de perlengar, mas no final os informareis de que eles não fizeram outra coisa que não perlengar.
    Amigão, não me respondeu o Jorge Godinho, mas um fã da ideologia deste. Vou aguardar um pouco mais, para receber os pareceres do EK, JP, RC e do AO, pois se eles apresentarem algo, eu apenas corroboro e sequencio as palavras deles, senão eu início, e sabe Deus quando é que isto vai acabar, mas não tenho pressa, pois a eternidade me pertence meu amigo.
    Um abração amigo querido
    J.S.


    J.A. escreveu-me:

    Bom dia amigos, peço que inclua dois companheiros amigos que confiamos e que pensam como nós em seu seleto grupo de amigos que recebem os e-mails A.S.  e V.A. aproveito e envio link de um texto de V.A. que  postamos para análise dos amigos:.......Abraços  J.A.


    R.C.  Escreveu para J.S.

    amigo querido.
    Meu nome não foi citado pelo Jorge Leite Oliveira, porque sou um "ilustre" desconhecido e isto me honra deveras, porque ser criticado pelo dito cujo seria uma honra inenarrável porquanto só o fato do cidadão dizer que a FEB, UMA VEZ POR SEMANA, estuda Roustaing, prova indiscutível e insofismavelmente que a entidade não pode ser a Casa Mater do Espiritismo, uma vez que fora de Kardec existe apenas espiritualismo. Kardec é o Codificador da Doutrina dos Espíritos que se contêm no Pentateuco vindo à luz desde França até o restante do Mundo, naquela união inquebrantável do Mestre de Lion com a plêiade do Espírito da Verdade.
    Não te apoquentes meu amigo e irmão querido. Digladiar com quem ignora a Verdade preferindo as mazelas dos encantamentos dos desequilíbrios seria o mesmo que se transformar em Don Quixote para esgrimir contra moinhos de ventos. Siga a ponderação de Jorge Hessen e aja como os beduínos no deserto que não ouvem os ladrares enquanto a caravana passa.
    Abração. R.K.


    W. do Site ..... escreveu para Jorge Leite:
    Caro amigo
    Jorge Leite Oliveira...
    Saudações Kardequianas...
    Esta sendo muito injusto... Com O Jorge Hessen... Não sou seu advogado... Mais ele se dedica 24 horas a causa de Cristo/Kardec... Alimenta a dezenas de sites espíritas... Busca fortalecer a Doutrina Espírita no Brasil... Trazendo alimentos a dezenas de sofredores que vagam na ignorância...O Movimento espírita  no Brasil está agonizante... Até parece nos períodos finais da França de Kardec...Pelo que noto... A FEB... E o seu dirigente máximo (Godinho).... Estão em palestras constantes na Suíça... Ele viaja diariamente... A este pais... Até parece que ele pertence a Presidência da Federação Espírita da Suíça... Não vejo ele visitando aos centros espíritas pobres espalhados dentro do Brasil.... Onde a miséria e a criminalidade provocam a destruição da família...
    O Espiritismo no  Brasil... está sendo atacado por uma horda... De obras e de médiuns mistificadores... Que com o conluio com plano espiritual inferior buscam mudar os ensinos de Kardec... Enquanto isto a FEB... Ao menos  01 dia da semana se dedica ao estudo da obra de Roustaing???!!!  Já li as obras Os 4 evangelhos... Nada soma ao Espiritismo...Para mim nada representa... Somente um cego... Não nota esta mistificação...
    Pelas minhas pesquisas... Roustaing e a sua médium... Dentro do Espiritismo e suas várias fases históricas... Antes de Chegar ao Brasil... Provocou a desunião do seio do mundo espírita...E ainda provoca...Busquemos a união... Mais em Cristo/Kardec... Este e o único caminho...
    Vamos fazer um grito de união... Contra a publicação de obras de Roustaing...Que está no prelo...Veja amigo... Jorge Leite... O que pode acontecer... Quando o Espiritismo morreu na França de Kardec... Veja que as forças da destruição estão presentes dentro do Movimento Espírita Brasileiro...
    A luta segue  W


    R.C. escreveu:   J.S. e demais amigos

    Li a mensagem do W. para o Jorge Leite Oliveira que você postou.
    Gostaria que você passasse para o W que felizmente  as Casas Espíritas do interior, vivem e vivificam a obra kardecista em sua plenitude, respeito, acatamento e consideração. Que ele pode ficar tranquilo que Roustaing e a FEB rustenista vão dançar antes do fim deste século. Nossos jovens não se sentem acomodados na perlenga, estudando Kardec com afinco e dedicação, têm demonstrado um conhecimento doutrinário que muita gente antiga sequer passa perto.
    Nossa casa é exemplo aqui em ....... com os jovens dando verdadeiros shows de conhecimento doutrinário, mais puro e verdadeiro e sempre com Kardec. Usamos aqui a metodologia socrática da Maiêutica que demonstra insofismavelmente que todos têm algum conhecimento de tudo, por mais ignorante que seja. E partindo de um conhecimento mínimo, discutimos todos, de igual para igual, até concluirmos todos os ângulos de qualquer questão doutrinária que se nos apresente.
    Há uma sequiosidade para se chegar à pureza doutrinária, jamais tergiversando com os implantes e outras questões do achismo como sói acontecer com aqueles que se enveredam pelas sendas rustenistas e ou outras baboseiras pelas quais o "crente de araque" quer se introduzir para aparecer. O resultado do estudo através da Maiêutica é fantástico. Na nossa Casa as palestras praticamente não existem, pois tudo se transforma numa discussão tranquila em que todos apresentam seu entendimento enriquecendo o aprendizado de todos.
    A FEB, ora a FEB já era. Não manda mais nada. É só um grupelho de fascinados que não se dá conta de que se encontram na contramão da Doutrina, guiados pelos espíritos que os submete aos piores vexames diante da Espiritualidade Maior. Lamentavelmente.
    Estou enviando este e-mail, também para o Hessen, para o E.K. para o J.P.
    Abração. R.C.


    J.S. escreveu:  Amigo W;

    Fico muito feliz com a sua disposição e clareza lógica como você vê o movimento roustanguista tentando se inserir na doutrina espírita. E ainda mais feliz por você compreender o trabalho maravilhoso do Hessen, pois ele é um amigo que tem dedicado sua vida ao movimento espirita. Amigo tenho enviado cartas ao Godinho, tentando um diálogo com o mesmo, mas infelizmente tem sido em vão, iria refutar o Jorge Leite, mas aconselhado por meus amigos, inclusive pelo Hessen, acabei declinando e não o fiz. Pela lógica que você apresenta, sei que não necessitara de mim, caso o amigo Jorge Leite queira polemizar, mas se precisar estou a seu dispor.
    Você já vem recebendo meus e-mails através do Site Espirita, mas vou inserir seu e-mail pessoal.
    Um abraço do mais fundo do meu coração   Sola


    V.A. escreveu para o grupo de meus amigos:

    Caros,
    Bom dia!
    Agradeço, desde já, fazer parte deste grupo e de suas reflexões. Ao manifestar-me, procurarei sempre, com respeito, fazê-lo no campo das ideias, trazendo reflexões e comentários sem o propósito de alcançar quem quer que seja (mesmo quando estiver falando de algum posto de destaque). Assim como acolher, analisar e refletir nas críticas decorrentes de nossos comentários
    No que diz respeito ao comentário do Jorge Leite Oliveira, não pairam dúvidas quanto às atividades que existem na sede da Federação, assim como a fraternidade com que todos são acolhidos e tratados. Comenta o confrade que, nas dependências da Federação, não se estuda, salvo an passant, as obras de Roustaing.
    Entretanto, ainda que seja de forma breve, tais ideias e teorias místicas, são difundidas. Só esse fato já seria tão comprometedor quanto as terapias psicológicas, místicas e outras que temos acompanhado na tribuna espírita. Mas, o mais grave, não é a limitada propagação nas dependências da Federação e sim, sua publicação, por intermédio de diversos livros que utilizam do pensamento de Roustaing como base. Livros adulterados, como Brasil Coração do Mundo e outras obras renitentes no pensamento roustainguista, se somadas, já fizeram muito barulho no movimento espírita.
    Talvez, já que falo em gravidade, mais grave ainda do que as edições dessas obras, seja a ausência da Federação em cumprir seu papel como entidade federativa. As atividades doutrinárias em suas dependências, deveriam funcionar como laboratório. Assim nasceu o ESDE, e mais recentemente, o NEPE (que, já morreu). Porém, esse laboratório de estudos, métodos e ferramentas didáticas deveria ter nas Federativas, extensões atuantes. O que se vê? Absolutamente nada. Nada por incompetência da Federação e por falta de pro-atividade de suas federadas, salvo honradas e diminutas exceções (que na atualidade, encontram-se adormecidas).
    A Federação pode até ter atividades fraternas em suas dependências, mas age de forma equivocada, como se fosse um “grande centro espírita”. Não é esse o seu papel. E, naquilo que é o seu papel, ela tem deixado muito a desejar. Está ausente.
    Creio que está na hora de dar um basta é na existência de uma Federação que não age como tal, que não tem vivência do que seja um sistema federativo e de sua importância para a propagação e coesão das ideias doutrinárias, respeitando o projeto 1868 e o seu estabelecimento central.
    Quando assim me pronuncio, não o faço com o objetivo de “detratar” a Federação. É uma crítica dura, sem dúvida, subjetiva, quer dizer, fruto do meu entendimento e visão do sistema, que pode ser utilizada de forma fraterna, como uma contribuição, ou ser tomada como um desrespeito e aí verem um “inimigo” onde, na realidade, existe apenas um pensamento crítico.
    Tenho pessoas muito queridas ao meu coração no movimento de Unificação. Grandes amigos que um dia abrilhantaram essas discussões, mas, por forças políticas, de correntes que não Unem e nem muito menos Unificam, se afastaram.
    Não sou contra a Federação. Sou contra sua omissão a pretexto da fraternidade. Sou contra sua conivência diante do que é mais “fácil” executar. Sou contra sua forma oportunista de agir, sou contra sua negligência em Unificar e jogar na lama do descaso ilustres espíritas que por lá porfiaram e que iniciaram suas atividades nas Casas Espíritas.
    Fraterno abraço em todos. V.A.


    Jorge Hessen escreveu:

    V. A. ,

    Muita paz!
    Suas expressões de lógica "indignação” são análogos aos avançados laudos  de ressonância magnética. Embrenha-se nas mais intensas regiões e identifica as materializadas metástases doutrinárias provenientes da "cúria candanga” da L2 Norte de Brasília , ou melhor, do centrão espírita "FEB". Reflexão Irretocável!
    Parafraseando o antigo pensador espirita: "O Espiritismo caminhará com a FEB, sem a FEB e apesar da FEB e demais federativas....


    V. A. escreveu-me: Caro Hessen,

    Paz a todos nós!
    A metáfora é perfeita! O tratamento é agressivo e pode deixar sequelas, porém, precisa ser feito o quanto antes, sob pena de sucumbir. O momento exige profundas transformações, que passam pela queda de cláusulas pétreas estapafúrdias, até uma união vigorosa por meio de um diálogo intenso com o movimento espírita, convidando a todos para suas contribuições a benefício da própria propagação doutrinária.
    Obrigado!!!
    Fraterno abraço! V.A.


    R.C. escreveu: Amigo e irmão.

    Fico feliz de saber-te contrário às incursões rustenistas nas hostes do Espiritismo. Minhas relações doutrinárias com Hessen, E.K, J.P., J.S. tem-me trazido honra inenarrável, pela capacidade de discernimento de cada um deles no que tange ao Espiritismo. Nasci espírita sob a orientação direta de José Herculano Pires, "o melhor metro que mediu Kardec", mas, devo a estes nossos irmãos o desenvolvimento necessário para jamais tergiversar com a Doutrina Espírita que veio através do Espírito da Verdade diretamente ditado para Rivail. Herculano, por sua vez, jamais comungou qualquer heresia e principalmente a trazida pela FEB desde que o Movimento Espírita foi dominado pelas trevas que reinam na "sede". Ao revés foi criticado e severamente combatido pelos defensores de Roustaing e da Santa Madre Igreja e seguidores do alfarrábio Os Quatro Evangelhos.
    Data a maxima venia, Espiritismo fora do Pentateuco pode ser, quando muito e com excesso de boa vontade do verdadeiro crente, espiritualismo e nada mais. Ademais, a história já provou e comprovou que a obra rustenista foi ditada por 4 pseudos evangelistas, facciosos e, não fora a incúria de nossos infelizes dirigentes febianos, desde muito já teria desaparecido. Mas, sem bola de cristal, sem achismos, podes te fiar que em menos de 50 anos Roustaing e sua claque febiana terão desaparecido, porque a Doutrina advinda do Espírito da Verdade através de Kardec, cobrirá todas as heresias e fantasias que infelizmente ainda infestam o Movimento.
    Estou remetendo cópias para os amigos de sempre, inclusive para o meu cunhado
    Leia Kardec, sinta Kardec, viva Kardec que jamais te encontrarás só.
    Abração.
    R.C.





    J.P. escreveu.  
     Prezado Irmão, Jorge Leite

    Conheço, de algum tempo, nosso irmão Jorge Hessen, pessoa estudiosa, que não tem preconceito contra ninguém. Se ele não o incluiu em seus contatos é porque talvez esperasse uma concordância sua. Nada além disso.
    Realmente ele, como eu, não concorda, em absoluto, com a postura roustainguista da FEB, que tem agido, veladamente ou não, na defesa dessa obra que tem raízes profundas no clericalismo, além de assumir posições abertamente contrárias à Doutrina Espírita.
    Mando-lhe análise que fiz, acompanhada de oito páginas da edição de 1942, que foram suprimidas na de 1971, por conterem ataques de Roustaing a Kardec. Só isso prova a parcialidade de julgamento das sucessivas Presidências da FEB.
    Enviei esse material, que ora lhe mando, ao atual Presidente da FEB, que nada me respondeu.
    Fui informado que nova edição estava para ser lançada em fins de 2015. Mais tarde, na própria sede da FEB, disseram-me que uma nova edição estava pronta e que seria lançada em outubro de 2016. Estive mais tarde na sede da FEB e nada me informaram. Espero, que para o bem do Movimento Espírita Brasileiro, esse adiamento não tenha fim.
    Abraço fraternal
    J.P.



    Eis Roustaing ofendendo Kardec




    Eis Roustaing ofendendo Kardec

    Eis Roustaing ofendendo Kardec

    Eis Roustaing ofendendo Kardec

    Eis Roustaing ofendendo Kardec

    Eis Roustaing ofendendo Kardec

    Eis Roustaing ofendendo Kardec

    Eis Roustaing ofendendo Kardec

    Jorge Hessen escreveu: 

    Estimado professor J.P.
    Grato pelo carinho de sempre e pelas intensas circunspecções. Suas inteligências doutrinárias são ajuizadas, tranquilas, cordatas, fraternais e adequadas Em nome do Cristo, muito obrigado! Ah! o "Jorge Leite", autor da “epístola virtual” citando-me é do time dos confessadamente roustanguistas  e não sairá nunca da hipnose doutrinária (ainda mesmo que  supostamente eliminando o que ele distingue trechos  polêmicos das louvações roustanistas das terças febiana).
    O grupo roustanguista febiano é  composto pelo Presidente , Vice Presidente e seu poderoso irmão , do Secretário Geral e outros influentes cardeais todos invariavelmente apaixonados pelas obras de Routaing (conheço a ideologia de todos eles) . Enfim, prossigamos em paz e não podemos mais olhar para trás senão tropeçamos e nesta altura do campeonato, cair na área poderá ser marcado o pênalti pelo Juiz Supremo. (risos)
    Forte abraço amigão Jorge


    E.K. escreveu; Amigos e irmãos em Jesus: paz!

    O e-mail do Jorge Leite Oliveira, dirigido ao J.S., ao A.O. e a mim, citando Jorge Hessen é uma peça rara.
    Comento-a só agora, chegado a poucas horas de ......., onde, Graças a DEUS, passei alguns dias, com minha esposa. Sem computador. Pelo meu telefone celular, mais ou menos capaz, só recebo e-mails. Daí que “parece” que demorei a me manifestar. Faço-o agora.
    Preocupei-me assaz com o e-mail do Jorge Leite.
    Provém de um membro super atuante na FEB. De rara cultura. E sendo da FEB, implicitamente aceita e acata Kardec, mas ao que tudo indica inclina-se paralelamente a aceitar Roustaing. Como muitos outros companheiros que militam na FEB.
    Digo que é peça rara porque, ao que saiba, é por primeira vez que alguém com tal cadastro informa que a FEB estuda semanalmente Roustaing.
    E diz mais: que em 37 anos de frequência assídua não viu propaganda pró Roustaing. Não bastasse, faz comovente e sincera ode às atividades assistenciais da FEB, nelas incluindo-se vasto repertório de estudos doutrinários, o que me leva a fazer uma continha infantil: semanalmente, 6 dias de Kardec e 1 de Roustaing.
    Pinço uma frase inicial no e-mail do Jorge Leite, após ele citar Jorge Hessen:
    Quanta bobagem dita por pessoas muito cultas, mas pouco sábias quanto (sic) atacam a Federação Espírita Brasileira (FEB) com a pecha de roustanguista e, quando não é por isso, sempre têm algo a criticá-la.
    Não sou advogado de ninguém, mas não me calo diante dessa frase infeliz. Jorge Hessen é um baluarte, exemplar e mestre da divulgação espírita. Tenho subida honra de tê-lo como amigo, sentimento que se irmana à grande admiração do fôlego que ele desenvolve pró a Codificação.
    E indo além: J.S., amigo igualmente querido, é outro servo de Jesus, a serviço do Espiritismo.
    Jorge Leite ignora o e-mail do Hessen, daí que deduzo que o seu sinaliza que não vem exclusivamente dele e sim com aval da FEB. Se estiver enganado, releve-me, mas, a ser verdade, constitui contrafação “coletiva” febeana ao Hessen, pelos artigos em que expõe à FEB (obviamente aos dirigentes dela) como o roustainguismo é prejudicial à essência da Codificação. Nada mais. Simples assim.
    Pensar que Hessen e J.S. de alguma forma agridem à abençoada instituição espiritual que é a FEB é reduzir por demais os termos que usam.
    Sou amigo também do Jorge Leite, desde que há dois anos recebi de um amigo uma crônica dele, “machadiana”, com moldura kardequiana.
    Recebi diversos e-mails dele e enviei-lhe outros tantos. Navegamos na fraternidade. Espero que esse laço não se rompa.
    Se minha saúde possibilitasse  iria a Brasília e daria um jeito dos dois Jorges se conhecerem.
    No fundo, no fundo, são duas pessoas especiais. Ambos de grande cultura, espíritas dos mais estudiosos, sinceros, fraternais.
    Pensando em Jesus e ambos conversando, “olho no olho”, em menos de meia hora os dois Jorges desatariam esses nós (seculares, aliás).
    Erraria quem dissesse que a dissensão criada a partir de Roustaing alcançou apenas ao Hessen. Não! Penso que muito maior número de pensadores como o Hessen, dentre os quais me incluo intransigentemente, envolveram-se nela e discordam de que seja proveitoso à doutrina dos Espíritos estudar a obra de Roustaing.
    Sou dos que nada, absolutamente nada têm contra quem quiser estudar Roustaing. É-lhes direito inviolável.
    O que discordo tacitamente é que Roustaing tenha assento nos estudos da FEB, a ponto disso lá ser considerado “cláusula pétrea”.
    Concluindo este e-mail, reproduzo dois admiráveis parágrafos do e-mail original do Jorge Leite (penso exatamente como ele) que “os tempos são chegados...”.
            “Já está na hora de dar um basta aos ataques à FEB e a qualquer instituição espírita, para o bem da Doutrina Espírita.
            Que é isso? Somos ou não somos espíritas? Se o somos, não nos cabe incentivar a divisão e sim, buscar a união, assumirmos nossa condição de Espíritas cristãos”
    Jesus nos abençoe e nos encontre acordados, nenhum de nós permitindo um novo “Getsêmani” doutrinário.
    Envio-lhes meu abraço, com minha alma em gratidão e amizade a todos.
    E.K.
    (Penitencio-me da prolixidade... É-me inevitável...) - Relembro André Luiz, em “Entre a Terra e o Céu”, cap. 36 “Corações renovados”:
            O capítulo sinaliza e confirma que quando há divergências pessoais e um dos envolvidos se veste de humildade e oferta entendimento e perdão, na forma de caridade, desata-se o nó e na alma brilha o céu da paz sob o sol do Amor, sem as nuvens da mágoa ou do ressentimento.
    E.K.



    R.C. escreveu:  Caríssimo E.K.,

    Já estava com saudades dos teus ditos e escritos.
    Também me abespinhava de perplexidade diante do que Jorge Leite Oliveira escrevera sobre o Hessen. Mas conhecedor da serenidade das grandes almas, Jorge Hessen nem se abalou, lembrando-me o Cristo de Deus antes do último suspiro: - "Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem".
    Também me lembro de Malba Tahan que cantou em versos: os cães ladram enquanto a caravana passa. Não, não te assuste com esta expressão, não estou nominando ninguém como cão e nem que Hessen seja a caravana, mas, que a serenidade do nosso irmão é muito mais vibrante que todos os impropérios que queiram lançar sobre ele ou contra quem não seja roustainguista, ah! isto é.
    Então me louvo em ser pequeno, no tamanho e na cultura, pois não foi o que o Cristo disse - Bem-aventurados os pequeninos porque deles é o Reino dos Céus?
    Sendo pequeno, qualquer portinhola servirá para que eu entre lá (assim espero, rsrsrsrs) que não sejam enxergados os meus pecados grandes ou pequenos.
    Pelo que conheço o Hessen, ele não se mortificou pelas incúrias lançadas e num vulgar ditado, tenho certeza que o "que vem de baixo, não o atinge".
    Oremos por eles e o roustinguismo desaparecerá antes do fim do século XXI, pois tudo é que contra a ordem natural das coisas, fenece e desaparece.
    Abração. R.C.
    Ps. Como falei do Hessen, estou mandando cópia deste para ele.



    J.S. Escreveu:  Amigo R.C.,

    Não consegui descobrir a quem você endereça estas palavras, mas posso dizer-te de que estão bonitas e repletas de muita propriedade.
    E quando você informa que me deve no campo do conhecimento adquirido, entendo que hajas apreendido alguma coisa ainda que elementar comigo, mas eu também aprendi e muito com você amigo R.C., pois você é um estudioso da doutrina, e se demora atento aos postulados do espiritismo.
    Agradeço primeiramente a Deus e a Jesus, e depois a Jorge Hessen por haver nos apresentado um ao outro, pois você é um amigo inesquecível.
    Até me pediu para eu não polemizar a mística rustenista, e isto para que eu evitasse fadiga não é mesmo meu amigo? rsrsrs
    Um abração meu amigo. J.S.


    J.S. escreveu: Amigo E.K. querido;

    Esse é o E.K. que eu conheço, sempre pronto a defender a lidimes, a lógica e racionalidade do espiritismo.
    Vamos aproveitar os nossos dias de maturidade, que graças ao bom Deus, não aconteceu apenas no corpo físico, mas também na alma, e vamos desmitificar a nossa doutrina.
    Quando formos velhinhos meu amigo, espero já havermos alcançado a benção de apreciamos a nossa doutrina maravilhosa, lidima lógica e racional, esparzindo amor e luz a humanidade, então completamente liberta dos misticismos que tentam impingir-lhe.
    Amigo estou pretendendo comprar um helicóptero, e então vou passar uma tarde com você em ......., me aguarde. rsrsrs
    Parabéns meu amigo.
    Um abração.