BLOG E SITES

  • LEITORES
  • 29 de dez de 2014

    Estou em Uruana / Goiás cuidando da Mercedes que está precisando dos meus cuidados, já que os filhos não tem o tempo disponível que me encontro. Estava no hospital com minha tia. Era em torno das 22 h. Ela deu uma cochilada peguei o Evangelho Segundo o Espiritismoe fui ler. A lição era "Bem aventurados os que tem olhos fechados". 


    Orei com fé e tive a intuição de ir até os pés da cama dela, pois a intuição da oração era aliviar a dor que sentia na sola dos pés sem conseguir andar por conta da diabetes. Coloquei minhas mãos em frente aos pés dela e de repente orando vi algo como fosse fumaça ou nevoeiro saindo por traz de mim, mas nada sentir e foi aumentando, crescendo e pedi que levasse até o coração dela. Fiz uma oração, pedi saúde para a enferma, chamei em pensamento Eurípedes Barsanulfo e a equipe de Bezerra de Menezes, e a mãe santíssima. Em meditação agradeci fazendo mais uma prece. Saí e fui ao banheiro. Pensei que poderia entrar alguém e neutralizar toda a energia que estava acontecendo. Não durou 2 minutos veio a enfermeira e levou p/ providenciar um exame de raio x e análise do coração. Todos os exames foram satisfatório. Não havia programação de alta imediata, dependia mesmo dos resultados dos exames. Na manhã seguinte o cardiologista elogiou os resultados e deu alta. 

    Nunca vi coisa igual. Era cor alva, foi tomando ela por cima e ficando completamente coberta. Por favor , explique o que tudo isso pode ser.

    Muito grata,

    Vera Santana



    Estimada Vera,

    Permita-me fazer umas elucubrações. Existem médiuns que emitem ectoplasma para a produção de efeitos físicos palpáveis (ectoplasmia), provocando reações reparadoras nos organismos doentes. Há outros que concentram grande quantidade de magnetismo “medicinal” que favorece a “cura” orgânica e espiritual sem ter vinculação com o chamado ectoplasma.

    Na essência, o fluido é sempre o mesmo, provindo do Fluido Cósmico Universal, porém as suas propriedades e efeitos variam imensamente. A diferença entre os dois fenômenos é que no primeiro caso (ectoplasmia), o fluido é, digamos, mais grosseiro, denso, próprio para preparação de formas ou produção de efeitos objetivos por condensação energética, ao passo que no segundo, o fluido é sutilizado, radiante, pode ser em certas condições perfeitamente visível, próprio para alterar espécies vibratórias já existentes.

    O médium se coloca em contato com essas fontes ao orar e animado pelo desejo de fazer o bem. Como a lei do amor é a que preside todos os atos da vida espiritual superior, ele se coloca em condições de vibrar em conformidade com todas as atividades dos Benfeitores, mormente os chamados socorristas do além, encadeando forças de alto poder curativo que derramam sobre o médium e se transferem ao doente.

    Os fluidos magnéticos “radiantes” interpenetram o organismo enfermo, atingem o campo da vida celular, bombardeiam os átomos, potencializam-lhes a vibração essencial e injetam nas células enfermas uma vitalidade mais intensa. Recordemos que a faculdade de “curar” pela influência fluídica é muito comum e pode se desenvolver por exercício.

    Desde Franz Anton. Mesmer o magnetismo tem sido estudado com muita exatidão. Todos nós, em condições propícias (saudáveis e equilibrados), podemos beneficiar os doentes com orações, passes, irradiações fluídicas e até com magnetização da água etc. Estudando e experimentando, desenvolvemos nosso potencial de ação sobre os fluídos. Não é novidade para nós que o poder curativo está na razão direta da pureza dos fluidos produzidos, como qualidades morais ou pureza de intenções, da energia da vontade, quando o desejo ardente de ajudar provoca maior força de penetração, e da ação do pensamento, dirigindo os fluidos em sua aplicação.

    Em suma, no livro A Gênese, em “Os milagres segundo o Espiritismo”, Capítulo XIV, ante as explicações de alguns fenômenos considerados sobrenaturais, Allan Kardec de uma maneira primorosa nos situa sobre o assunto: "A cura se opera mediante a substituição de uma molécula malsã por uma molécula sã. O poder curativo está, pois, na razão direta da pureza da substância inoculada, mas depende também da energia da vontade, que, quanto maior for, mais abundante emissão fluídica provocará e tanto maior força de penetração dará ao fluido. Depende ainda das intenções daquele que deseje realizar a cura, seja homem ou espírito".

    Grande abraço
    Jorge Hessen