BLOG E SITES

  • LEITORES
  • 21 de set de 2009

    ASSUNTOS DIVERSOS



    Claudete : Boa noite Sr. Jorge


    Jorge Hessen: Prezada irmã Claudete

    Claudete : Procurei ler com atenção seus artigos. No que se refere a apometria, concordo totalmente, sem nenhuma dúvida e até saliento que aqui em S.Paulo (creio que o sr. esteja em Brasília, após visitar seu site e ler outros artigos, parabéns), virou uma febre, o que acabou despertando meu interesse em saber mais, confesso que foi decepcionante, nada real. E lendo seus textos creio que posso confiar no conceito que acabei formando.

    Jorge Hessen: Muito me apraz saber que você esclareceu suas dúvidas sobre apometria após ter lido meu artigo publicado no site.

    Claudete : No que se refere a morrer antes da hora, ainda tem questões que não entendo:


    - no caso de acidentes, via pessoa irresponsável (bebida, velocidade, etc), - estava determinado esse ato?, se foi por influência de obsessores, ainda assim poderia não acontecer se não tivessem tido êxito?

    Jorge Hessen: Não, minha irmã, esse ato não estava determinado, pois ninguém encarna neste mundo de provas e expiação para ser vítima do álcool ou do excesso de velocidade. Esse comportamento é típico de quem abusa do livre arbítrio. Os obsessores nos influenciam quando entramos em sintonia com eles. Essas atitudes irresponsáveis atraem Espíritos, também, irresponsáveis e o desfecho não pode ser outro, senão o pior possível. Jesus não nos ensinou a orar e a vigiar os próprios atos?

    Claudete : - no livro -As vidas de Chico Xavier - conta que em visita a um presídio, ele nada falou do Evangelho, e quando questionado ele respondeu: - Não poderia aproveitar que eles estão atrás das grades para dar sermão.

    Jorge Hessen: Quando alguém se propõe a Evangelizar os presidiários, com certeza não conseguirá fazê-lo com, apenas, uma visita. Essa tarefa demanda tempo e visitas permanentes. Com certeza, Chico, ao entrar no presídio, estava muito bem assessorado pelos Espíritos Superiores que, silenciosamente, levavam bênçãos de Deus a todos aqueles corações aflitos. Sermão, naquele momento, seria humilhá-los. Chico sempre sabia o que dizer e o que fazer. Kardec já dizia que “a maior caridade que alguém pode fazer em favor do próximo é a ORAÇÃO.”



    Claudete : -Quando perguntaram se haviam muitos obsessores na cadeia, ele afirmava: - Eles já fizeram o que queriam.

    Jorge Hessen: Sim, minha irmã. Qual o motivo de os obsessores permanecerem num presídio terreno, embora sejam escravos da própria consciência má, se já fizeram o que queriam às suas vítimas?



    Claudete : São fatos que me deixam a pensar, que se as pessoas tivessem atitudes diferentes o rumo da história poderia ser modificado. No caso o agente causador ter modificado seus pensamentos e atitudes, etc. - a vítima estaria livre de sofrer as consequências? Nesse caso já não seria modificado?

    Jorge Hessen: É óbvio, minha irmã, que o quadro seria outro.

    Claudete : - Já li sobre espíritos assassináveis, atropeláveis, e outras coisas assim, questiono, há um determinismo que pessoas nasceriam para provocar tais acontecimentos?

    Jorge Hessen: Depende do comprometimento moral do Espírito encarnado com algum ou alguns Espíritos desencarnados que, certamente, foi ou foram as vítimas em encarnações anteriores. Se um Espírito encarnado não se mantiver vigilante dos próprios pensamentos e dos próprios atos, seus inimigos espirituais encontram brechas para a vingança. Enquanto não se perdoarem mutuamente, cria-se um círculo vicioso, pois aquele que se vê desencarnado atua com maior liberdade e maior poder sobre o outro que está preso à carne.

    Claudete : - No caso de tragédias coletivas, consigo entender bem, também concordo, lembrando ainda do incêndio do circo em Niterói. Tudo muito bem explicado, mas qdo. o assunto se refere a maldade, a obsessão, a irresponsabilidade me parece que não foi por planejamento.

    Jorge Hessen: É isso aí, minha irmã. Todos nós encarnamos para progredir o mais que pudermos. Temos que aprender, seja por amor ou pela dor, que Jesus é o único caminho que nos levará a Deus.

    Claudete : Até me pergunto no caso do suicídio, é um ato que pode ou não acontecer ou até se repetir - nesse caso não foi determinado, mas sim feito um planejamento para que na verdade não viesse acontecer. Nesse caso a pessoa não estaria antecipando sua morte?

    Jorge Hessen: É verdade, minha irmã. Nenhum Espírito planeja, enquanto desencarnado, suicidar-se na experiência física. Aquele que chega a esse extremo antecipa, realmente, a sua morte física, pois somente Deus tem o Poder sobre a vida.

    Claudete : Ainda aproveito para perguntar - espíritos menos evoluídos ao encarnarem em nosso plano, não poderiam provocar acontecimentos violentos sem que houvesse um vínculo com a vítima? Nesse caso não estariam encurtando a estadia da vítima nesse plano?

    Jorge Hessen: Não creio, minha irmã, pois não há efeito sem que haja uma causa. A pedofilia e o estupro, por exemplo, são acontecimentos violentos que, com certeza, vítima e agressor estão, mutuamente, envolvidos em dramas de vidas passadas.

    Claudete : Veja, não tenho ainda uma opinião formada, mas são pontos que fico a questionar - sem querer aluga-lo, se puder dar seu parecer agradeceria.


    Abraços / Claudete

    Jorge Hessen: Eu é que agradeço, minha irmã. Fique em Paz!