BLOG E SITES

  • LEITORES
  • 6 de jan de 2010

    ANGUSTIAS INTIMAS


    De F....: Oi Jorge

    Vi uma coluna sua no site http://forum.alemdosegredo.com/verTopico.php?id=708, e no desespero resolvi pedir sua ajuda. Confio muito na doutrina espírita, mas acredito que estou muito longe de estar evoluída nesta questão. Contarei resumidamente minha historia:
    Há um ano o namorado de minha mãe se enforcou dentro de nosso pátio, sem motivos aparentes, a única coisa q sabíamos é que ele bebia. Eu sempre fui muito depressiva desde criança, mas na hora não senti, até porque não nos gostávamos muito. Nesta espoca, minha filha tinha quatro meses. Agora em outubro, um dia antes de fechar um ano da morte dele, eu surtei, ouvia ele, via pessoas por todos os lugares, quebrei toda a minha casa e depois tomei remédios fortíssimos que, por uns dias, acabaram com minha memória. Neste mesmo período eu me desentendi com meu companheiro e ele saiu de casa, e ficou com outra dentro da casa da mãe dele, uma menina muito mais nova, amiga de sua irmã. Essa irmã dele pra mim era a minha melhor amiga e minha ex sogra como uma mãe. O destino me fez descobrir a traição e ter provas dela. Ele hoje quer voltar, mas nega que tenha me traído e isso me da muita raiva, pois ele poderia ser humilde me pedir perdão e aí sim eu perdoaria, mas não, ele nega de um jeito que dá direitinho pra ver que é mentira, como se eu fosse louca sabe? E ele está me deixando. Como posso confiar em alguém que não me fala a verdade? Há três semanas mais ou menos tentei me suicidar, tomando um remédio fortíssimo que ninguém explica como sobrevivi. Acabei voltando pra ele, mas não consigo perdoar porque ele não é sincero comigo, só queria que ele pedisse perdão de seu erro, como vou saber se não continuam juntos? Ontem, não aguentei. Chorei muito, implorando que ele me contasse a verdade q todo mundo sabe, mas ele nega. Aí, minha mágoa está me matando, não saio mais de casa, não tomo banho, não saio da cama e minha mãe já perdeu a paciência comigo acha que eu estou errada, grita comigo em vez de me dar carinho, minha filha fica com a babá, nem a vejo. O que a gente faz pra arrancar uma magoa tão grande? Só não me fale em perdão, porque minha raiva é maior, esse caso destruiu tudo que era tão bom, minha mágoa é com elas tbem que mentem em vez de pedir perdão. Eu não admito porque quando estou errada eu peço perdão com facilidade. Eu não vejo mais saída, quero morrer, vivo dopada de remédios, estou desesperada. Ajuda-me, por favor. Sei as consequências do suicídio e não quero isso pra mim, mas eu não vejo luz nem Deus. Ajuda-me.
    Abraços
    F........



    Jorge Hessen: Prezada irmã


    Inicio a resposta ao seu email, perguntando-lhe: Como é que você pretende ter paz nesta vida se afirma, categoricamente, que sente raiva, tentou suicídio, guarda mágoa no coração, enclausurou-se em si mesma, não cuida da filhinha que Deus lhe confiou e, sobretudo, pede para que eu não fale em perdão?


    Como pode ver, toda a carga negativa que a envolve está sendo criada por você mesma, lamentavelmente. Será que isso pode ser mudado? Sim, é óbvio que sim, basta que queira, verdadeiramente, mudar o seu mental. Como? Basta que comece a se aproximar de Deus. De que maneira? Mergulhando em um passado bastante longínquo, quando Jesus, na cruz, elevou seu pensamento ao Pai e disse: Perdoa-os Pai, porque não sabem o que fazem! Imagine! Até mesmo Jesus pediu perdão por todos nós, por todo o mal que a Ele fizemos, não exigindo que nós Lhe pedíssemos perdão. Quem somos nós, então, simples mortais, a exigir que nos peçam perdão pelos males que nos fazem? Palavras, minha irmã, são palavras, não garantem a fidelidade de alguém. A verdade só é confirmada através dos atos, das mínimas atitudes equilibradas e sinceras. Por que, então, condicionar a reconciliação com seu marido a uma simples palavra, a um simples pedido? O importante, no caso, é “perdoar”, independentemente de um mero som articulado. Da mesma forma o amor. Não podemos comercializar o amor, ou seja: só amarei o próximo se eu for amado(a). Essa atitude contraria a Mensagem de Jesus: Amar o próximo como a si mesmo. Ame-se, em primeiro lugar, mudando completamente sua atitude diante da vida. Não deixe que o orgulho e a vaidade ecoem mais alto em sua essência espiritual que, com certeza e, indiscutivelmente, é bela. Quem ama, incondicionalmente, e perdoa, verdadeiramente, não necessita de quem lhe traga a paz de espírito, pois a paz já pulsa na intimidade da consciência de quem ama e perdoa. Todo ser humano tem condições de presenciar essa evolução em si mesmo, é só ativar a alavanca da vontade e atender aos reclamos da consciência.


    Suicídio? Jamais! Você tem certeza de que confia muito na Doutrina Espírita? Pois bem, acredito no que você está a me dizer. Então, faça o seguinte: Procure um Centro Espírita Kardecista para um tratamento espiritual e reequilibre seu Perispírito. Paralelamente, abra seu coração a Deus, com todo fervor, rogando-Lhe forças-luz, que vitalizarão sua alma para os objetivos a que você se propõe de hoje em diante.


    Estude o Espiritismo, pois que é extremamente moralizador e consolador.


    Se, hoje, tudo lhe parece nebuloso, difícil, imagine o que seria se você tivesse consumado o ato de suicidar-se (?). Imagine um sofrimento, infinitamente maior do que diz estar vivendo hoje.


    Só me resta lhe dizer o seguinte: “O amor a si mesmo é a maneira de aprimorar-se em espírito, em emoção e em corpo.” “O amor ao próximo é consequência daquele que se dedica ao Genitor, demonstrando a fraternidade que a todos deve unir, por Lhe serem filhos diletos que marcham de retorno ao Seu seio”. “O amor a Deus significa o respeito e a ação preservadora da vida em todas as suas expressões, tornando-se o ser parte integrante dele, consciente do conjunto cósmico.” (Joanna de Ângelis)


    Confio em você, minha irmã, e você não está tão mal quanto imagina, pois se dirigiu a mim com plena consciência. Isso é um ótimo sinal. Que Deus a abençoe agora e sempre.


    Se houver interesse de sua parte, sentir-me-ei honrado em saber que leu alguns artigos publicados em meu Site: http://jorgehessen.net e no meu


    Fraternalmente,

    Jorge Hessen