BLOG E SITES

  • LEITORES
  • 1 de jun de 2011

    RACISMOS, KARDEC, FRENOLOGIA




    Kátia Costa 



    Esse artigo está sempre espinhando na doutrina...sempre movel de ataques de não partidarios da doutrina espírita, na esperança de denegri-la e rebaixar Kardec de uma vez por todas. O interessante é que esta obra, Obras Postumas, é o que o titulo diz, "póstumas", publicada sem a autorização e avaliação do proprio mestre de Lyon. Ora,se Kardec não publicou este estudo antes, é porque certamente aguardava opotunidade de novos estudos sobre o tema. Na Revue ele toca em assunto parecido, porém se utiliza de uma teoria vigente na época, no meio científico, e que parece muito logico, aplicando-a... so que não era verdadeira, como se mostrou nos dias atuais. Quantas não foram as teorias cientificas vigentes na epoca de Kardec e que foram derrubadas pelas novas descobertas? A frenologia é uma delas.
    Kardec pregava a igualdade, não fazia distinções entre as pessoas, e tem um excelente artigo sobre a mulher, defendendo-a antes mesmo que tantos outros o fizessem. Reconheceu na mulher não so a existencia de sua "alma", porque muitos acreditavam que ela não tinha uma ( rebaixada inclusive a menos que um escravo negro), quanto diz  claramente que ela pode vir homem em outra encarnação porque o espírito não tem sexo.
    Infelizmente, muitos são os espíritas que não leem, que não estudam e que se deixam levar por estas questões ainda. Virem atitudes que tentam denegrir o Espíritismo e Kardec de outros que não espíritas, adversarios claros, é uma coisa, mas o pior é quando os inimigos estão dentro da propria doutrina.
    Estes dias debati muito contra um post numa comunidade espírita que agredia Kardec, não com a má interpretação desse tipo de artigo, mas com algo mais grave. questionavam a veracidade do Livro dos Espíritos, dizendo que Kardec não havia usado o proprio metodo, o tal CUEE, no livro base da doutrina, ou seja, como ele se utilizou somente de duas mediuns para verificar as perguntas, então a doutrina estaria falha dentro do proprio livro que a criou.
    Esse pensamento anda por ai, e vc sabe, Jorge, que para derrubar uma doutrina é só desqualificar o seu fundador. Até mesmo a moral de Kardec foi questionada, mas quanto a essa nada puderam fazer.
    Então digo que, o mal não vem de fora, mas de dentro, como um cancro, uma chaga que corrompe e degenera. Por isso , é preciso muito estudo e pessoas que possam , com estes estudos e exemplos dignificantes, defender a doutrina.
    Então lembro-me do Divaldo, ao responder: a Doutrina vai bem apesar dos espíritas.
    Quando o ataque vem de fora, sempre sai o tiro pela culatra. È o que demonstra o fato que vc trouxe à luz. Mas quando vem de dentro...a coisa muda muito de figura, porque desestrutura os mais frageis e se não tivermos força no argumento,  o cancro aumenta e começa a purgar....infelizmente.
    Um abraço e obrigada pelo artigo, não estava sabendo disso.