BLOG E SITES

  • LEITORES
  • 28 de jul de 2009

    INFORMAÇÃO SOBRE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS!






    Elaine : Prezado Irmão Jorge:
    Jorge Hessen: Prezada irmã Elaine

    Elaine : Sou uma irmã que estuda tb a filosofia espírita há 30 anos , tive a grande oportunidade e felicidade de estar com o Chico Xavier por duas vezes; estive uma só vez com o Divaldo em uma palestra; o que gostaria de saber à Luz da espiritualidade, se realmente PODEMOS MANIFESTAR O DESEJO EM VIDA (em cartório), DE SERMOS DOADORES DE ÓRGÃOS?



    Jorge Hessen: Prezada irmã, o que diz a lei brasileira sobre transplantes, atualmente, se não estou enganado, não impõe esse registro, salvo se a pessoa não quiser doar seus órgãos. Se o desejo de doar for, previamente, comunicado à família, esta autorizará a doação no momento oportuno. Sob a luz da espiritualidade, nada obsta que esse seu desejo se realize.

    Elaine : Tal dúvida, advém de um livro que li, Gruta do Sol, de Marisa Varela, que um dos protagonistas diz, o q me recordo: "TEMOS QUE IMPEDIR O TRANSPLANTE DE ÓRGÃO DO IRMÃO TAL, POIS REFERIDO PROCEDIMENTOO IMPEDIRÁ A SUA MISSÃO COM ÊXITO AQUI NA TERRA"; li tb em outro livro que não me recordo, q existe um setor na espiritualidade, só de espíritos (médicos) especializados na regeneração de órgãos q foram doados ou degenerados, de espíritos qdo ainda encarnados, etc; que um corpo físico encarnado que tem um órgão retirado, ao desencarnar seu perispirito se torna imperfeito, pois existe tb a energia q foi retirada, que encontra-se no órgão doado, impedindo assim o funcionamento perfeito do corpo, que é o perispirito, retardando assim a sua ascensão espiritual, causada pelo tempo q perderá seu perispirito no aguardo da regeneração do órgão doado, pois não sabem precisar quanto tempo leva tal regeneração!



    Jorge Hessen: A rejeição acontece, minha irmã, por inúmeras razões. Resumindo, o principal motivo está na obsessão do doador que persegue seu órgão, ou órgãos, por não ter manifestado a sua vontade de “não doá-los”. Ao tomar consciência do seu novo estado, sente-se, extremamente, contrariado. Nesse caso, a recomposição é muito mais demorada, pois o espírito, com a revolta, dificulta esse processo. Outro fator importante é a incompatibilidade das densidades e das vibrações dos espíritos envolvidos, ou seja, o nível moral de cada um. É o mesmo que executar uma melodia em dois compassos diferentes ao mesmo tempo. Mais um inconveniente é o desnível das energias entre doador e receptor, que nada mais é que ligar um aparelho de 110V em uma voltagem superior, de 220V, por exemplo. No caso que você expôs, "TEMOS QUE IMPEDIR O TRANSPLANTE DE ÓRGÃO DO IRMÃO TAL, POIS O REFERIDO PROCEDIMENTO IMPEDIRÁ A SUA MISSÃO COM ÊXITO AQUI NA TERRA", creio que, quando o resgate está diretamente relacionado com aquele órgão a ser transplantado e o receptor não adquiriu méritos para recebê-lo com êxito, a espiritualidade superior sabe o que diz e sabe o que faz. Existe sim, Elaine, conforme André Luiz nos orienta, Espíritos elevados que projetam os corpos daqueles que estão prestes a encarnar. Logo, o inverso, ou seja, no desencarne, através do qual o perispírito sofreu traumas profundamente dolorosos, também encontramos Espíritos superiores socorristas, que trabalham na recomposição da matéria perispiritual.
    Agora, quando a pessoa tem consciência plena do seu desejo de “doar seus órgãos” para a alegria e felicidade de um irmão necessitado, esse gesto é grandioso diante de Deus que, através de Seu Filho Jesus, ensinou-nos a “Amar o próximo como a si mesmo”. Portanto, não há o que temer.

    Elaine : Sou conhecedora da caridade exercida no ato da doação! até onde efetivamente fizemos o bem ou deixamos de fazê-lo em maior dimensão com o corpo perfeito? Até aonde o receptor de órgão logrará maior evolução já com o órgão perfeito ou através da dor?



    Jorge Hessen: Todo gesto de amor ao próximo só dignifica o espírito. A evolução do receptor com o órgão perfeito vai depender, única e exclusivamente dele. Com certeza, mereceu de Deus esse crédito. Se o receptor não logrou êxito com o transplante, é porque terá que pagar seu débito até o último ceitil.



    Elaine : Gentil irmão Jorge, quero deixar claro que não tenho receio nenhum em doar órgãos, tenho receio sim, de causar morosidade na minha evolução, em face do tempo q já se foi, conforme já supra mencionado, quero saber à luz da espiritualidade se realmente DOAR ÓRGÃOS EM VIDA E LOGO APÓS AO DESENCARNE É AMOR E CARIDADE À LUZ DA ESPIRITUALIDADE?



    Jorge Hessen: Se você, minha irmã, não tem receito em doar órgãos, isso já é meio caminho andado para o êxito de sua nobre intenção. Portanto, saiba que a recuperação do perispírito, de quem se propõe a um gesto tão caridoso, é quase que instantânea, conforme nos ensinam os Espíritos. Já a recuperação do perispírito, quando o desencarne acontece por acidentes trágicos ou por suicídios, é muitíssimo lenta. DOAR ÓRGÃOS EM VIDA E LOGO APÓS AO DESENCARNE É AMOR E CARIDADE À LUZ DA ESPIRITUALIDADE, e quem se propõe a fazê-lo com fé em Deus, acumula créditos para a própria evolução espiritual