BLOG E SITES

  • LEITORES
  • 24 de jun de 2010

    PENA DE MORTE



    Prezado Jorge:

    Sou contra a pena de morte, por ser a única pena irreversível, e porque nós só "matamos" o corpo, ficando vivo o espirito. Mas há anos li no jornal do Brasil um artigo de um jurista americano, cujo
    nome não guardei, que também se decclarava contra a pena de morte, pelos mesmos motivos. Entretanto, ele era favorável à eliminação dos criminosos irrecuperáveis. E chamava de irrecuperáveis não aqueles que tivessem cometido um crime terrível, mas sim aqueles que tivessem uma ficha criminal extensíssima. Tal ficha demonstraria, segundo ele, que o acusado não pretendia se regenerar nunca, e assim seria um perigo permanente para todos os outros. Assim, sua morte não seria aplicada como punição, mas como sua eliminação do seio da sociedade, para proteção de todos os outros cidadãos. E mesmo se ele fosse inocente daquele crime pelo qual foi preso e condenado à morte, sua extensa ficha claramente indicaria que ele teria cometido outros crimes não descobertos como de sua autoria. Sua eliminação seria realmente necessária.
    Bem ,se isso fosse aplicado, estaríamos devolvendo o condenado ao umbral, e passando adiante a tarefa de regenerá-lo. Estaríamos declarando nossa incompetência para transformar esse criminoso em pessoa de bem. O que você acha disso tudo? Atenciosamente,

    -Prezado

    Muitas vezes temos uma sede de justiça imediatista, quem não se comoverá com a morte de uma Isabella Nardoni? Mas indispensável amadurecer o olhar. Se temos conhecimento espírita temos que ter convicção da imortalidade do espírito. Qual o objetivo de acabar com um corpo se o espírito continua acoplado no seu cotidiano, nas suas lembrançasetc. Você poderia arguir, mas Deus sendo misericórdia não pode permitir que isto aconteça. Porém quem de nós poderá conhecer toda a existência de um marginal irrecuperável.
    Quem poderá saber de seus traumas e de sua dor? Nada justifica a perversidade, a crueldade. No Evangelho , segundo o Espiritismo está escrito que mesmo os espíritos mais primários dedicam a alguém , ou alguma coisa um sentimento de afeição. Isso significa algum traço evolutivo, é a semente do amor que um dia há de crescer e brilhar. Sou a favor de uma prisão perpétua com trabalho forçado, com processo educativo, mesmo que fosse para uma outra encarnação As nossas penitenciárias são verdadeiras escolas criminosas, até os infratores mais leves saem de lá com uma universidade criminal. Será que temos realmente direito de eliminar um criminoso perigoso com esses modelos de recuperação social?, sem falar no estado de corrupção política que campeia em nosso país.
    Outro fator de sua escrita baseado em escalas psicológicas e análises de psiquiatra que classificariam aqueles irrecuperáveis para a sociedade. Tenho certeza que você teve conhecimento do caso denominado "o monstro de Luziânia" em que 16 jovens perderam a vida. Esse criminoso foi submetido ao exame psicológico e psiquiátrico que não chegaram a uma conclusão de reintegrá-lo a sociedade e mesmo assim com uma falha gritante do sistema carcerário foi colocado em uma condicional.
    O que me intriga é que o sistema prisional quando começaram a surgir as primeiras mortes não sabia aonde morava esse cidadão uma vez que ele sempre tinha que se apresentar na delegacia.São falhas muito grotescas para acharmos que legitimando uma pena de morte vai alterar alguma coisa nesse sentido de vivermos com mais tranquilidade. Nós que temos filhos e filhas estamos sujeitos a tudo.
    Temos que vivermos com prudência, cuidarmos sim da segurança, fazermos nossa parte, mas vivermos tranquilos e orarmos , pedirmos proteção espiritual e cumprirmos nossas obrigações diárias, porque não vai ser eliminando um pervertido que o mundo encontrará a paz . A paz que sonhamos começa dentro de cada um.
    Abraços
    Jorge Hessen