BLOG E SITES

  • LEITORES
  • 21 de jul de 2010

    TRABALHAR, TRABALHAR E TRABALHAR , EIS A SOLUÇÃO




    Jorge,

    Muito obrigado pelo auxílio que me tens proporcionado quanto ao nosso proceder coerente com a Doutrina que abraçamos. Vemo-no muitas vezes enredados na nossa própria ignorância e na ignorância alheia, constituindo um grande bem poder desvencilhar-nos de nossos erros.

    Atualmente não frequento nenhuma casa espírita, apesar de já ter trabalhado e estudado em algumas delas. Desejo unir-me a pessoas com o mesmo ideal sincero de buscar e vivenciar a verdade que o Espiritismo é e deseja sempre ser, mas, mesmo nas casas ditas espíritas, confesso que tenho encontrado poucas pessoas que enquadram-se neste critério.

    Também sou 'pela educação' que considero talvez o maior bem que podemos dar e receber e tenho feito meus esforços em oferecê-la, em ampliar consciências. Esforços que esbarram na posição de autoridade, no interesse pessoal e no desinteresse por vôos um pouco mais altos.

    Apreciaria muitíssimo tê-lo como amigo e parceiro nesta empreitada da iluminação própria e da educação espírita.

    Muito obrigado, mais uma vez e que Deus abençoe os nossos propósitos.

    I...........




    Prezado I........

    É verdade que anelamos por grupos sérios conscientes, estudiosos e coerentes, mas devo ressaltar após 34 anos de labor doutrinário concluo que devemos realizar alguma atividade espiritual no centro espírita: seja transmitindo o
     passe regularmente, participando de um grupo de estudo, da assistência aos mais desfavorecidos, sendo com visitas programadas  aos asilos, creches e hospitais, sendo na evangelização infantil, sendo na participação de eventos para se  arrecadar recursos para o centro , seja através de palestras que possamos fazer etc, enfim existem inúmeras atividades que podemos e devemos realizar  numa casa espírita.
    É compreensível  os nossos anseios por grupos mais maduros porém esse objetivo  não pode engessar a dinamicidade que o trabalho solicita-nos em face do ideal que acalentamos. Então , arregacemos as mangas e trabalhemos na enorme seara do Mestre  porque a vida é um movimento constante que nos convida a não ficarmos estacionados nas indignações que acalentamos em face daqueles que não alcançam nossa perspectiva doutrinária.
    Um grande abraço
    Jorge Hessen