BLOG E SITES

  • LEITORES
  • 3 de ago de 2010

    KARDECISTA , SIM! - POR QUE NÃO?









    Bom dia, venho fazer breve comentário sobre sua nota em relação ao censo IBGE e a teórica implantação do termo Kardecismo.Creio que se o proprio Kardec quis cunhar uma denominação que impedisse a vinculação destes ensinamentos a obra de um homem só, daí o termo espiritismo,é poruqe ele sabia a dimensão que certas denominações representam. 


    Não seria uma temeridade usar "Kardecismo" para algo tão grande e abrangente ?Será que Vamos definitivamente dogmatizar um ensinamento que transpõe os umbrais de doutrinas humanas e limitadas aos próprios conceitos humanos e filosóficos?Sendo assim muitos irão propor o Espiritismo racional, espiritismo filosófico, espiritismo a la Kardec , parece algo risível mas creia-me assim é que vai ficar;sabemos que a humanidade ainda precisa de muitos graus evolutivos para abrir mão de apegos tão centralizados no poder e nas referências pessoais. 
    Bom trabalho e desempenho, 
    G




    Prezado G......, 

    Muito obrigado pela opinião enviada. 
    Muito sensata, sem dúvida!. 
    O seu raciocinio está correto. É uma temeridade personificar o Espiritismo em Kardec. 
    A nossa reflexão em torno do tema não é "personificar" o projeto doutrinário num em Kardec. Não faz nenhum sentido isso! 
    Sugerimos apenas o uso eventual do termo "sou karecista" nas ocasiões de colóquios com os não espíritas (os leigos). 
    Não endossamos a idéia de inserir a palavra kardecista nas nomenclaturas doutrinárias. Mas deve ser usada mais habitualmente no BRASIL sobretudo nas conversações quando o assunto nos impele a fazê-lo. 
    O problema do uso "coloquial" do termo é mais profundo do que se supõe. Kardec criou a palavra Espiritismo para esclarecer uma situação confusa entre os espiritualistas. 
    No ´CASO ESPECÍFICO , retorno a explicar - não estamos propondo mudar NADA - nossa sugestão é simples: se alguém (não "espírita", o leigo) NO BRASIL nos indagar qual a nossa convicção (religiosa) poderíamos dizer: SOU KARDECISTA. E por que não fazê-lo? 
    O termo espírita aqui por esse ares brasileiros não significa necessariamente adepto do Espiritismo. Pelo contrário!!! os espíritas são reconhecidos como "ocultistas", "umbandistas", "cartomantes", etc, etc, etc, etc, etc, e muitos etc's...... 
    Os líderes de outros credos cristãos (sem conhecerem Kardec) misturam alhos com bugalhos e o povo assimila o equívoco e com isso ficamos todos no mesmo balaio.  A coisa é tão grave que o IBGE não consultou a FEB para entender essa diferença. 
    Do exposto, não identifico nenhum problema quanto ao uso da palavra kardecista para os não "espíritas" . 
    Obviamente, se os espíritas conseguirmos introjetar na massa essa diferença , a Terceira Revelação ficará mais visível nas místicas bandas do Hemisfério Sul. 
    Mãos à obra! Vamos tantar inverter toda essa confusão no Brasil. Essa miscigenação é histórica e alguém precisa levantar a bandeira para ampliar a discussão. Óbvio que tal discussão deveria deveria ocorrer mais vezes através do Conselho Federativo Nacional. 
    O ex-presidente F. Thienses publicou a diferença entre Espiritismo e as outras crenças que se apropriaram (sem respeitar o direito autoral do termo Espírita).  O CNF é o fórum adequado para se buscar fórmulas coerentes para que o Espiritismo e os Espíritas sejam reconhecidos como estudiosos da DOUTRINA ESPÍRITA. 
    Com o tempo , eu creio que tudo deverá chegar nos seus devidos lugares.  Quem sabe daqui a 10 , 20 30 anos......sei lá.... a população saberá que espíritas somos os estudiosos da Codificação organizada por Allan Kardec.  
    Como se vê , o assunto não é tão simples quanto parece numa visão mais de superfície. 

    Obrigado pela atenção. 

    Saudações 
    Jorge Hessen