BLOG E SITES

  • LEITORES
  • 25 de abr de 2011

    CONFLITOS PESSOAIS ANTE O AUTOESTÍMULO SEXUAL (MASTURBAÇÃO)

     Boa noite, senhor Jorge. Li seu artigo em seu site e gostaria de saber sua opinião sobre aqueles que dizem que masturbação atrai obsessores, pois meu homeopata me disse que é uma prática saudável - ele também é espírita.
    Enviei a mesma pergunta pelo site, mas decidi fazê-la novamente porque faltou dizer isso: que ele também é espírita. Tenho essa dúvida, porque, embora não me relacione com ninguém, sinto essa necessidade, mas não tenho parceiro. Também não tenho coragem de debater sobre o tema no Centro Espírita que frequento, principalmente por ser mulher. Outra coisa: qual sua opinião sobre sites como parperfeito.com? é errado a gente tentar conhecer alguém pela internet? (Minha terapêuta dizia que o normal é conhecer a pessoa pessoalmente, sem ser por uma amizade virtual, mas vejo tantos casos de pessoas que deram certo..., exatamente como na vida real: acertos e desacertos...). Sei que soa infantil, mas, apesar DE SER ADULTA, sou totalmente inexperiente, e cada terapeuta, cada médico que vou, me dá uma opinião mais desbaratada do que a outra. Estou perdida. E, sinceramente, tenho vergonha de abrir tais questionamentos no Centro Espírita. (A única vez que tentei falar sobre o tema, disseram que eu estava lá para arrumar namorado e que eu estava com uma séria obsessão...).
    Grata.
    Abraços fraternos,


    Prezada irmã
    Qualquer tema relacionado a problemática da sexualidade é uma questão de foro íntimo, ninguém tem o direito de invadir a consciência de ninguém , nem aprovando, nem reprovando. No texto que escrevi sobre masturbação , não condeno nem aprovo, demonstro a situação sob a ótica eminenetemente espírita , apoiado em fonte consagrada pela Terceira Revelação. Posso assegurar-lhe que não utilizaria seu homeopata como fonte para um artigo que assinasse.
    A busca de um parceiro para a vida afetiva é absolutamente normal, e nesse aspecto , deve destruir traumas do passado que insistem incrustrados na sua consciência. Conseguirá isso através da oração e vigilância. Lembre-se que ter um parceiro é uma coisa absolutamente normal ante a natureza humana.

    Com seus confrades do centro , creio que não deve se expor, muito sobre sua vulnerabilidade íntima, por isso mesmo , evite falar-lhes dos seus embates na consciência sobre seus anseios e conflitos sexuais. Para lidar com esse assunto toda prudência é importante para não se tornar muito exposta ante as malícias dos outros.
    Não sou contra e não creio seja errado alguém tentar conhecer outra pessoa pela internet. Já escrevi muito sobre as "redes sociais " da Internet. Asseguro-lhe que se há vantagens, existem riscos iminentes, contudo, não identifico ameaças imediatas nos relacionamentos equilibrados de amizade pela internet. Diversos grupos influentes têm projetos interessantes , visando o bem do próximo e quase todos se conheceram pelas ondas eletromagnéticas da rede de computadores.
    Recorde-se que a experiência da vida afetiva não está num relacionamento sexual , porém na entrega amorosa e fraterna às pessoas que nos rodeiam em qualquer ambiente da existência. Refiro especificamente aqui , da nossa entrega pela gentileza, pela simpatia, pela colaboração, pelo despreendimento, pela caridade, pela disciplina emocional, pelo silêncio. pelo perdão etc...etc...etc, o restante encontramos no divino manual de paz e felicidade: O EVANGELHO. Segundo a Lei Divina "tudo que dermos à vida , a vida nos retorna com juros e mora". Ah! Digo que quase todos os terapeutas e médicos que conheço precisam mais de tratamento do que tratar dos outros sobretudo no quesito SEXUALIDADE...

    Não identifico em sua atitude alguém sem objetivo elevado. Ao escrever-me e buscar outras possibilidades de respostas já demonstra que não está perdida (ao contrário disso), está buscando o mais equilibrado caminho a fim de continuar crescendo rumo à sua felicidade. Creio que está no caminho certo, pois quem busca sempre encontra e você está buscando com muito amor e encontrará a resposta no excelso amor do Criador!
    Acredite nisso e seja incansável nessa busca sincera. Determinados assuntos e conflitos são melhores discutidos com pessoas das quais confiamos. Não creio que na casa espírita todos os confrades que ali estão são os melhores conselheiros, pois muitos deles estão no mesmo dilema e conflito , apenas escondem-se sob capas de virtudes. Selicione com mais critério as pessoas amigas que deposita confiança e quando precisar converse com elas sobre os assuntos que ainda são perturbadores para sua condição de mulher.
    Admiro muito a sua sinceridade e isso é uma grande virtude. Não se abale por causa do autoerotismo, procure aos poucos substituir os desejos na área sexual por projetos espirituais e com serenidade, através do reflexo condicionado positivo, irá surpreender-se ao identicar-se sem compulsão e sem necessidade do auto estímulo sexual. Tudo é uma questão de exercício da mente e devagar, sem traumas e nem fobias o resultado advirá.
    Lembre-se que nossos pensamentos geram nossas ações e nossas ações geram os pensamentos dos outros, nesse caso, podem os “outros” serem os obsessores, que inevitavelmente sintonizarão ao seu campo mental (pensamento) e a partir daí a situação se complicará sempre, entendeu?.
    Fator bastante natural é buscar um companheiro para dividir sonhos, anseios e dificuldades, isso não é transgressão às Leis do Criador, é fruto do viver e (con)viver com os outros, contudo vale refletir um importante detalhe: Não force a situação nessa busca de um parceito, pois nem sempre temos plena consciência do que Deus nos reserva na vida. E quem sabe!!: se na '"solidão" não nos realizamos muito mais em espirito?... Cada caso é um caso e no dicionário espírita não há espaço para o acaso.
    Se houver alguém destinado para o seu coração isso ocorrerá naturalmente , sem atropelos e sem neuroses. Aguarde pecientemente e confie na justiça do Criador, até porque nos Estatutos de Deus não há espaço para injustiças.
    Abraços com votos de êxitos.
    Jorge Hessen