BLOG E SITES

  • LEITORES
  • 30 de mai de 2011

    VENDILHÕES O TEMA CONTINUA...

    Caro confrade Jorge Hessen

    Luz e Paz


    Lamentavelmente, parece-me que estão circulando na internet mensagens envolvendo o meu e o seu nome, com ataques e contra-ataques de confrades, em uma atitude pouco fraternal, o que me fez escrever e encaminhar o texto abaixo, que lhe encaminho para o seu conhecimento. Saiba que considero o grande mérito da imensa maioria de seus artigos, restando muito poucos com os quais reservamo-nos o direito de não concordar.

    Coloco-me à inteira disposiçào para o diálogo fraternal e construtivo e espero que possamos todos superar esse incidente da melhor maneira. 

    Caros amigos de ideal
    Que Jesus nos abençoe sempre
    Em virtude de alguns e-mails que circularam na internet recentemente citando o nosso nome e o apagado trabalho que realizamos, acredito que seja útil trazer alguns esclarecimentos. Não que me ache merecedor de qualquer defesa, pois se fizeram isso ao ramo verde (que é Jesus), o que não farão com o galho seco, que somos nós?), mas o faço pelo trabalho que tentamos realizar, apesar de minhas muitas imperfeições, de divulgação da Doutrina Espírita, a que devo a minha vida.
    Acredito que provavelmente, deve ter havido algum problema de comunicação. E se isso ocorreu, a culpa deve ser inteiramente minha. O artigo citado é do ano de 2009, e, na época de sua publicação na internet, achei que se referia à minha pessoa, na parte que mencionava a venda de CDs.
    Na época, escrevi um e-mail ao nobre articulista, que me respondeu dizendo que não era de mim que falava, asseverando que já conhecia nosso trabalho e da doação de toda a renda aos centros.
    Entretanto, como algumas pessoas acreditam que eu possa ser um dos mencionados no texto, acho que devo, no mínimo, explicações sobre essa prática ao público. Para os centros onde faco palestras não é necessário, já que todos sabem que doamos toda a renda (normalmente 70% do total vendido), sempre imediatamente ao final da palestra ao coordenador da casa.
    Os cerca de 30% restantes usamos para pagar os custos das mídias, embalagem, gráfica, etiquetas, manutenção dos equipamentos de filmagem, edição e copias, salário e encargos sociais do funcionário que mantemos que grava, etiqueta e embala os CDs e DVDs.

    Registre-se que só não deixamos um percentual maior, porque buscamos sempre manter o preço de venda bem acessível (e também porque sei que o material e o expositor estamos abaixo do padrão de qualidade dos CDs e DVDs profissionais). Para ser franco, normalmente perco recursos financeiros nesta tarefa, sobretudo porque costumo deixar material em consignação para a venda nas casas espíritas e, infelizmente, quase nunca receber, com raras exceções (é bem verdade que também não cobro).
    Felizmente, essa prática de venda de CDs e DVDs que realizamos tem ajudado varias casas espíritas e permitido que pequenos centros distantes de ...........e até mesmo do exterior (tenho usado minhas férias do trabalho desde 2005 para viajar), possam nos convidar para palestras, já que a generosidade do público normalmente permite uma renda superior às despesas de passagens.

    Nas viagens ao exterior, em virtude do preço elevado dos voos, a renda paga todas as despesas e ainda conseguimos deixar cerca de 50% (nunca menos de 30%) livres para os centros (dependendo da quantidade de palestras e montante do valor das passagens).
    Ressalte-se que não se trata de nenhum mérito de nossa parte. Na verdade, é uma demonstração de incompetência, pois não mantenho nenhuma instituição beneficente, como o fazem muitos oradores espíritas. Se existe algum mérito neste trabalho, é do público que adquire o material que apenas filmamos e editamos.
    Registre-se que todos os direitos de exibição e comercialização de todas as nossas palestras foram cedidos gratuitamente ao ......., que as exibe na ........I, especialmente no ....... da .........e nos canais de áudio, e permitimos que todas as instituições que desejam possam exibi-los, sem qualquer custo, como o fazem a ...................., dentre outros.
    Além disso, deixamos graciosamente uma cópia de todos os nossos DVDs e CDs de nossas palestras para as federativas que participaram do .................., realizado .................., autorizando que fizessem cópias e comercializassem à vontade.
    Por fim, com a ajuda de um confrade espírita dos EUA, ................, temos disponibilizado todas as nossas palestras (bem como algumas do ........................, etc) em vídeo e áudio para assistir, ouvir e fazer download gratuitamente, ensinando e estimulando as casas a fabricarem e copiarem os CDs e DVDs, comercializando-os para ajudar na manutenção dos centros, além de montar videotecas para empréstimo, etc, como informamos no site ......................
    Quanto ao articulista citado, é necessário fazer um justo reconhecimento: já tive a oportunidade de ler dezenas de seus artigos e reconheço que a imensa maioria deles são muito úteis e bem escritos, de elevado teor e de notável conhecimento espírita, tendo sido publicados, muitos deles, inclusive, na ............... ..............
    Acredito que todos somos passíveis de erros, e o ilustre autor do artigo, assim como todos nós, não está isento de cometê-los, ainda mais quando se sabe que produziu centenas deles. Se é verdade que discordo de alguns posicionamentos e de algumas de suas teses, também é verdade que a grandiosíssima parte de sua produção é inatacável, e devemos preservar todos os trabalhadores sinceros do Cristo.

    Se me fosse permitido sugerir algo, sugeriria não só para ele, mas a todos nós, que, se ainda não o fazemos, sigamos a orientação sempre segura de Jesus: “Se teu irmão está em erro, chama-o em particular...”, somente levando algo a público depois de esgotar todas as instâncias do particular e do pequeno grupo (diretoria/dirigentes da casa), etc, evitando notícias que possam prejudicar (sem uma justa e nobre razão) instituições sérias ou comprometer o trabalho de união e unificação do movimento espírita, promovendo a divisão e a desmotivação dos trabalhadores.
    De fato, todos cometemos erros. Mas, pessoalmente, acredito que o mal não merece divulgação, pois acabamos por dar forças para ele. Daí porque Jesus ensinava a não retribuir o mal com o mal, mas oferecer a outra face (o bem). Ou como dizia Machado de Assis: O Maior Pecado depois do pecado é a sua publicação”. Outra dica sempre oportuna é a recomendação dos “3 Crivos”1 atribuída a Sócrates: os crivos de antes de divulgarmos algo, sabermos se a notícia é verdadeira, se será útil divulgá-la e, por fim, se será bom levá-la ao conhecimento de todos.
    Rogando as minhas sinceras desculpas por trazer essa discussão a público, agradeço antecipadamente a compreensão de todos, pedindo a Jesus que nos ampare e ilumine sempre.

    Fraternalmente,

    ...........




    Caro  ..............
    Muita paz!

    Suas palavras denotam alguém que sabe usa-la amorosamente.  Nunca assisti nenhuma de suas palestras. Nem o conheço bem pessoalmente. Se não me equivoco só devo ter tido um ou dois contato rápidos com a sua pessoa, portanto não o conheço para ter material suficiente  de analise de comportamento doutrinário. 

    Saiba  que escrevo há 36 anos e sempre o  faço movido da mais absoluta isenção e imparcialidade. Sou jornalista e historiador, não costumo escrever para agradar ou desagradar seja lá a quem for. O que escrevo , o faço para provocar o bom debate mesmo!, para reflexões!. Sou um espírita desatrelado de compromissos federativos exatamente para ter  liberdade de falar e escrever o que considere e precise ser escrito sem amarras institucionais ,  visando,  sobretudo,  provocar elevadas discussões.
    Nos mais 330 artigos que escrevi NUNCA e JAMAIS utilizaria o nome de qualquer confrade nos  argumentos consignados. Meus textos são e sempre serão arrazoados tendo como escopo reflexões amadurecidas  na dimensão das idéias nunca no campo pessoal. Você sabe que  isso é de extrema necessidade para  alcançarmos melhores discussões para o projeto espírita.
    Ouço insistentemente nos diversos centros que frequento sobre práticas consideradas desnecessárias para a boa difusão do Espiritismo. Visitei vários municipios e cidades do País onde muitos oradores (inclusive famosos) são tidos como "camelôs ambulante"... Porque saem vendendo livros e CD's e DVD's  após suas  palestras pelos quatro cantos do País.
    Escuto em muitos lugares  que há oradores plagiadores,  imitadores , (legítimos covers) do ZZZ...,  incluindo aí o cover-mor XXX..... Nós ouvimos em todos os lugares e pouquíssimos  tem a sensatez e/ou a autoridade moral para escrever  sobre isso. 
    Meu compromisso é com Jesus e Kardec e em nome deles e da honradez que norteia meu nome  sou forçado a escrever e divulgar sobre essas situações,   propondo  que essas absurdas práticas terminem  de vez e busquemos a simplicidade para divulgar Jesus através do Espiritismo. Isso a benefício das próximas gerações que poderão buscar outros modelos de divulgação doutrinárias sem necessidade de shows de oratória, de  afetações e teatralismos das tribunas. Parece que os oradores estão querendo ser atores e sei até de  algumas  oradoras que parecem quererem ser atrizes imitadoras do ZZZ. (aliás, diga-se de passagem: péssima escola que o ZZZ está deixando para o futuro do Espiritismo no que diz respeito ao uso de uma tribuna)
    Diz o ditado: "Quem avisa , amigo é! No meu caso estou avisando, então,  não estou sendo inimigo, longe disso! Estou querendo o bem dos confrades que se encontram em estado de narcotização da consciênca, agindo muitas vezes de forma vaidosa em nome da difusão do Espiritismo.
    Confesso que não o tive como referência para escrever o que escrevi , mas diante do que expoe na sua msg não há como furtar-me de dizer: o que está fazendo é de extrema inoportunidade para o Espiritismo. Pense melhor e creia que o Espiritismo  nem as instituições espíritas precisam desse comportamento para sua divulgação.
    Lembre-se....Quem avisa amigo é..Hoje você vai sentir ojeriza pelo que digo , mas amanhã vai me agradecer , lembre-se que somos eternos. Acredite nisso! Humildade acima de tudo e estou sendo humilde para dizer essas palavras.
    Um abraço e oremos a Deus para que não conspurquemos ainda mais a mensagem de Jesus  já tão judiada nesses dois milênios.
    Saudações
    Jorge Hessen